Escolha uma Página

Com reservas, dois deles de alto luxo – Arrascaeta e Vitinho, que juntos custaram mais de 80 milhões de reais – e alguns valores da base, o Flamengo venceu o Vasco nos pênaltis (3 x 1), depois de empatar nos acréscimos (1 x 1) o jogo que parecia perdido, na tarde deste último domingo (31) de março, no Maracanã. R$1.361.328,00, com 34.776 pagantes. Foi a nona Taça Rio ganha pelo Flamengo, só uma a menos que o Vasco, maior vencedor com 10.

SEMIFINAIS – A vitória do Flamengo, campeão da Taça Rio, recolocou o Fluminense – último dos quatro na classificação geral – nas semifinais, que disputará domingo (7) com o Flamengo, que terá a vantagem do empate, por ter ganho o segundo turno. A outra semifinal do Campeonato Carioca será sábado (6), com o Vasco, vencedor da Taça Guanabara, tendo a vantagem do empate no jogo com o Bangu. Os vencedores decidirão o título de 2019 em dois jogos.

DE CABEÇA – Tiago Reis marcou de cabeça o gol do Vasco aos 10 do segundo tempo, desviando escanteio da esquerda do lateral Danilo. O escanteio foi cedido pelo goleiro Cesar, com grande defesa, em chute rasteiro de Marrony no canto direito. Arrascaeta, até então apagado no jogo, também usou a cabeça, aos 48, para completar o cruzamento do atacante Bill, uma das revelações da base. Arrascaeta fez o gol 5.000 do Flamengo na história do Campeonato Carioca.

PÊNALTIS – O Flamengo começou a cobrança e Vitinho converteu. Danilo empatou e foi o único do Vasco a converter. O goleiro Fernando Migueldefendeu com o braço, no canto esquerdo, a segunda cobrança do Flamengo, de Rodinei. Na segunda cobrança do Vasco, Rossi chutou fora, à direita do goleiro. Arrascaeta converteu a terceira cobrança do Flamengo (2 x 1). O goleiro Cesar defendeu a cobrança de Tiago Reis, usando o braço direito. O colombiano Fernando Uribe fez Flamengo 3 x 1 e a comemoração começou logo depois que o zagueiro Werley isolou a quarta cobrança do Vasco, bem por cima do travessão.

OS CAMPEÕES – Cesar, Rodinei, Thuler (Bill, 39 do segundo tempo), Rodolfo (cap) e Trauco; Ronaldo (Vinícius Araújo, 43 do segundo tempo), Hugo Moura e Arrascaeta; Vitinho, Lucas Silva (Vítor Gabriel, 25 do segundo tempo) e Uribe. Técnico – Leomir Souza. O Flamengo ganhou a quinta Taça Rio, em decisão com o Vasco, quando por coincidência venceu nos pênaltis, em 2011, após 0 x 0. O Fluminense é o vice recordista da Taça Rio (13) e o Vasco passou a ser o segundo (8).

OS VICE-CAMPEÕES – Fernando Miguel, Caceres, Werley, Castan (Ricardo, 21 do primeiro tempo) e Danilo; Bruno Silva (Raul, 45 do primeiro tempo), Lucas e Bruno Cesar (Tiago Galhardo, 28 do segundo tempo); Rossi, Tiago Reis e Marrony. Técnico – Alberto Valentim. Em choque com o meia Lucas, o meia Bruno Silva saiu de maca, aos 40 do primeiro tempo, e enquanto era decidido se poderia voltar ao jogo, só foi substituído por Raul aos 45 minutos.

SEIS CARTÕES – O árbitro Rodrigo Nunes de Sá teve atuação correta e tranquila, aplicando com acerto a lei da vantagem. No primeiro tempo, só aplicou um amarelo para Lucas, por falta em Uribe, aos 46. O segundo, logo aos 3 minutos, para Trauco, por falta em Bruno Cesar, que recebeu o terceiro, aos 24, por falta dura em Ronaldo. O quarto cartão, aos 35, para Thuler, com falta sobre Raul. Dois minutos depois de entrar, Vinícius levou cartão, aos 45, por atingir Rossi, e o sexto cartão foi para Lucas, nos acréscimos, por falta em Hugo Moura. O árbitro marcou bem 34 faltas, 18 do Vasco.

BOM LEMBRAR – Dois dos maiores comunicadores gostavam de repetir suas frases. Waldir Amaral, com quem trabalhei onze anos no rádio, dizia com muita propriedade: “A vida muda de minuto a minuto”. A outra frase foi criada pelo Velho Guerreiro. Abelardo Chacrinha Barbosa costumava dizer: “Só acaba quando termina”. O Vasco parecia com a Taça Rio na mão, quando Arrascaeta, apagado na maior parte do jogo, fez o gol de empate nos acréscimos… Como também diria um francês, C’est la vie

Fotos: site oficial do Flamengo e site oficial do Vasco da Gama