O Vasco deu o último suspiro na Copa Sul-Americana ao ser eliminado pelo Defensa y Justicia, último do Grupo B do campeonato argentino, sem vitória em cinco jogos e com saldo negativo de gols, na derrota (1 x 0) da noite de ontem (3), em São Januário. O gol foi do meia canhoto Gabriel Hachen, de 30 anos, aos 12 do segundo tempo, em falha do goleiro Lucão, e o que resta ao Vasco em 2020 é evitar os fracassos de 2008, 2013 e 2015, quando foi rebaixado e disputou a Série B.

REPETECO – Os números e as campanhas dizem, com mais clareza do que qualquer analista, que o time do Vasco é fraco, em desacordo com a tradição do clube, que sempre teve formações com grandes nomes, daí os títulos históricos que ganhou em níveis nacional e internacional. O time de 2020 do Vasco é de chorar e de dar pena, sem inspirar o mínimo de confiança nos torcedores, cada vez mais decepcionados com atuações que beiram o ridículo.

LUCÃO, Miranda, Marcelo Alves (Tiago Reis) e Castan; Pikachu, Marcos Jr (Juninho), Leo Gil (Lucas Santos), Benitez (Talles) e Neto Borges; Gustavo Torres e Ribamar (Carlinhos). O técnico português Ricardo Sá Pinto reapareceu na área técnica e na volta do intervalo desfez o esquema com três zagueiros, colocando Tiago Reis no lugar de Marcelo Alves, o que em nada ajudou a melhorar o rendimento do time. As cenas de gols perdidos pelos “atacantes” do Vasco foram bem hilariantes…

O BAHIA, único brasileiro na reta final da Sul-Americana, terá o Defensa y Justicia como adversário nas quartas de final. O vencedor jogará com o colombiano Atlético Junior, de Barranquilla, ou com o chileno Coquimbo Unido, da cidade de Coquimbo, a 462 km da capital Santiago. Três times argentinos, apontados como favoritos, disputarão os outros dois jogos das quartas de final: o Velez Sarsfield com a Universidad Católica do Chile, e Independiente e Lanús, que se enfrentarão.

QUATRO CAMPEÕES – O Independiente del Valle, do Equador, é o atual campeão, ao vencer a final de 2019 com o argentino Colon. O Brasil ganhou quatro vezes a Copa Sul-Americana, com o Internacional, em 2008; São Paulo, em 2012; Chapecoense, em 2016, e Athletico Paranaense, em 2018. O Fluminense perdeu a final de 2009 para a LDU, e o Flamengo perdeu a final de 2017 para o argentino Independiente, recordista de títulos (7) da Copa Libertadores.

BOM LEMBRAR – A única vez em que não houve decisão da Copa Sul-Americana foi em 2016, quando o colombiano Atlético Nacional, de Medellin, sob a comoção da tragédia aérea, que matou quase toda a delegação da Chapecoense, resolveu não disputar a final, e pediu à Conmebol que desse o título ao clube do interior do estado de Santa Catarina.

Foto: JUAN IGNACIO RONCORONI / AFP