Depois de dois meses no comando do time, Rogerio Ceni é o segundo pior técnico do Flamengo nos últimos dez anos. Após 12 jogos – 4 vitórias, 4 derrotas, 4 empates -, com a derrota de ontem (10) para o Ceará, ele tem aproveitamento de 44,4%, superior só ao de Ney Franco em 2014, em 7 jogos – 3 empates, 4 derrotas -, com 14,3%. Antecessor de Rogerio Ceni, o espanhol Domènec Torrent é o quinto, em 26 jogos, em 2020 – 15 vitórias, 6 derrotas, 5 empates -, com 64% de aproveitamento.

TRÊS PRIMEIROS – O português Jorge Jesus, que voltou ao Benfica, por medo de contrair a Covid-19, dirigiu o Flamengo em 57 jogos – 43 vitórias, 4 derrotas, 10 empates -, com 81,1% de aproveitamento. O segundo mais bem-sucedido no Flamengo, com menos da metade dos jogos de Jesus, é Abel Braga – 19 vitórias, 4 derrotas, 7 empates, em 30 jogos -, com aproveitamento de 71,1%, e o terceiro é Carpegiani, em 17 jogos – 11 vitórias, 3 derrotas, 3 empates -, com aproveitamento de 70,6%.

BOM LEMBRAR: O gaúcho Paulo Cesar Carpegiani é o único da história de 125 anos do Flamengo, campeão da Libertadores e do Mundial de clubes, no mesmo ano (1981), assim como o carioca Abel Braga, técnico vice-líder do Campeonato Brasileiro 2020, é o único da história de 111 anos do Internacional, campeão da Libertadores e do Mundial de clubes, no mesmo ano (2006).

TIROS N’ÁGUA – Em um ano em que os clubes perderam a receita de bilheteria, devido aos estádios fechados pela pandemia do novo coronavírus, o Flamengo deu tiros n’água com as contratações dos seus dois técnicos da temporada 2020. Além de pagar R$12 milhões pelo rompimento do contrato com Torrent e pela multa para tirar Ceni do Fortaleza, o Flamengo ainda ficou sem receber do Benfica, que repatriou Jesus sem pagar a multa pela rescisão.

Foto: Yahoo Esportes