Vinte dias depois de ter passado para a prisão domiciliar em luxuoso hotel de Assunção, Ronaldinho concedeu no fim da tarde de hoje (27) a primeira entrevista, exclusiva para o ABC Color, mostrando-se muito preocupado com a situação de sua mãe (Miguelina), que vive com uma governanta em Porto Alegre: “Tenho fé em Deus, a quem peço todos os dias nas minhas orações, que vou ganhar a liberdade. O que mais quero é dar um beijo na minha mãe“.

“NUNCA IMAGINEI que pudesse passar por essa situação” – disse Ronaldinho, ao iniciar a entrevista, no salão do luxuoso Hotel Palmaroga, no Centro da capital do Paraguai, onde se encontra desde o dia 20 de abril,, em prisão domiciliar, depois de ficar detido desde 4 de março em um quartel adaptado para prisão de segurança máxima em Assunção. Ronaldinho está em um apartamento, separado do irmão Roberto Assis, em outro andar do hotel.

“NÃO SOU DELINQUENTE, nunca matei nem roubei. Sempre levei uma vida normal, cumprindo minhas obrigações e desfrutando nas horas em que podia” – disse Ronaldinho, que se sente muito constrangido: “Fiquei surpreso ao ser detido ao desembarcar no aeroporto porque não sabia que estava usando documento falso”. Ronaldinho disse que desde logo se colocou à disposição das autoridades do país, onde está sendo bem tratado.

“CHEGUEI ao Paraguai por dois motivos: participar de noite de autógrafos do lançamento do meu livro “Craque da Vida“, de acordo com o contrato assinado com a editora, e para a inauguração de um cassino on-line” – revelou o ex-jogador, de 40 anos, prêmio Bola de Ouro 2004 e 2005 de melhor do mundo da FIFA, após ganhar a Copa do Mundo de 2002. Ronaldinho disse que seu irmão o gerencia desde quando era jogador e nunca cometeu deslize.

RONALDINHO teve três pedidos de relaxamento de prisão negados, através dos recursos de seus advogados, e sua situação perante à justiça paraguaia permanece indefinida, sem que se saiba nem mesmo quando será julgado. Ele foi detido no aeroporto de Assunção dia 4 de março e levado para a cadeia, de onde saiu para a prisão domiciliar no hotel no dia 7 de abril. As diárias, dele e do irmão, são em torno de R$4 mil reais.

Foto: Mundo Deportivo