Depois de trinta e dois dias preso em quartel da Polícia Nacional do Paraguai, o ex-jogador Ronaldinho Gaúcho, de 40 anos, aceitou nesta terça (7) efetuar o pagamento de 1 milhão e 600 mil dólares, o equivalente a 8 milhões 360 mil reais, para passar do regime fechado ao semiaberto, em hotel de Assunção, onde ficará sob custódia policial permanente. O acerto foi feito em videoconferência com o juiz Gustavo Amarilla.

CAUÇÃO – Ficou bem claro durante o acerto de Ronaldinho e seu irmão Roberto Assis, presos por terem entrado no país com documentos falsos, que em caso de tentarem fugir, o resgate do depósito será imediato. O dinheiro foi depositado, sob caução, no Banco Nacional do Fomento. O juiz Gustavo Amarilla, do Tribunal de Ações Penais, já havia negado três pedidos de recurso do advogado para que Ronaldinho e o irmão deixassem a prisão.

PROCESSO – O ex-jogador e o irmão não têm prazo para sair da prisão domiciliar. O processo contra eles continuará tramitando na justiça de Assunção. O juiz criminal Mirko Valinotti também já havia rejeitado o pedido da defesa, feito através do Ministério Público do Paraguai, para que respondessem em liberdade. A situação segue muito complicada para Ronaldinho e o irmão, sem que haja previsão quanto ao tempo a que serão condenados.

Foto: NORBERTO DUARTE / AFP