O empate entre Santos e São Paulo(2 x 2), na noite de hoje (12), na Vila Belmiro, foi bom para o Flamengo, que terminará a décima rodada na vice-liderança, com 20 pontos, se vencer amanhã (13) o Ceará, ultrapassando o São Paulo, com 18, que pode cair para o quarto lugar, se o Palmeiras, com 16, ganhar do Sport. O Santos, com 15 pontos, também pode ser ultrapassado pelo Vasco, que somaria 17, em caso de vitória sobre o Botafogo, no último jogo da rodada, às 20h30.

BOM JOGO – Santos e São Paulo mantiveram a tradição do clássico com bom jogo na noite de hoje (12), na Vila Belmiro, onde por falha no sistema de iluminação, houve o mais demorado acréscimo (18 minutos), no Campeonato Brasileiro de 2020. O São Paulo iniciou com forte pressão e mereceu a vantagem (2 x 1) do primeiro tempo, mas o Santos voltou do intervalo com mais disposição e mereceu o empate, em belíssima cobrança de falta de Marinho, vice-artilheiro com 7, a um gol do artilheiro Tiago Galhardo.

DESTAQUE – O melhor do jogo, e não só pelos dois gols, foi o meia Gabriel Sara, de 21 anos, catarinense de Joinvile (26/6/99), que antes de ser titular, destacou-se em cinco categorias – sub-15 a sub-23 – e ganhou a Copa São Paulo e a Supercopa do Brasil sub-20. Canhoto, 1,78m, habilidoso, Gabriel Sara fez 1 x 0 aos 8 minutos, em roubada de bola de Luan Peres, após saída falha do goleiro Tiago Volpi, e marcou o segundo gol aos 38, depois de cruzamento de Igor Vinícius.

LATERAL – O Santos reagiu após o primeiro gol e conseguiu o empate aos 30, em bela impulsão do lateral-direito Madson, de 28 anos, 1,82m, baiano de Itaparica, que saltou em alto estilo e completou de cabeça, no contrapé do goleiro, o cruzamento do bom meia uruguaio Carlos Sanchez. O São Paulo saiu em vantagem para o intervalo, com o segundo gol de Gabriel Sara, aos 38, emendando de primeira e de chapa, o cruzamento do lateral-direito Igor Vinícius.

FOGUETE – As circunstâncias obrigaram o técnico Cuca a tirar do banco o atacante Marinho, que pretendia poupar pelo desgaste dos jogos consecutivos, mas aos 21 minutos, quando substituiu Carlos Sanchez, o alagoano de 30 anos, aumentou o ritmo do Santos, que passou a pressionar mais a defesa do São Paulo. Aos 45, ele sofreu falta de Hernanes e empatou com um foguete de canhota, chegando ao sétimo gol, só menos um que o mineiro Tiago Galhardo, do Internacional, artilheiro isolado.

SANTOS – João Paulo, Madson, Lucas Veríssimo, Alison e Luan Peres; Diego Pituca, Carlos Sanchez (Marinho), Arthur Gomes (Wagner Leonardo) e Marcos Leonardo (Lucas Lourenço); Lucas Braga e Soteldo (Jean Mota). Técnico – Cuca. O Santos tem 15 pontos em 10 jogos  4 vitórias, 3 derrotas, 3 empates, saldo de dois gols (14 a 12) – e o próximo jogo é com o Botafogo, domingo (20), no estádio Nilton Santos.

SÃO PAULO – Tiago Volpi, Igor Vinicius, Diego, Leo e Reinaldo; Tchê Tchê (Luan), Hernanes (Brenner), Gabriel Sara e Igor Gomes; Vitor Bueno (Paulinho Boia) e Luciano. Técnico – Fernando Diniz. O São Paulo tem 18 pontos em 10 jogos – 5 vitórias, 2 derrotas, 3 empates, saldo de dois gols (13 a 11) – e pode perder a vice-liderança, se o Flamengo, com 17, vencer o Ceará, amanhã (13). O São Paulo jogará quinta (17), no Morumbi, com o River Plate, com quem divide a liderança do Grupo D, com 3 pontos.

QUATRO CARTÕES – O árbitro Luiz Flavio Oliveira, de 43 anos, da Federação Paulista e da FIFA, teve boa atuação e aplicou com acerto os cartões amarelos em Luan Peres e Soteldo, do Santos, e Hernanes e Igor Vinicius. O goleiro Tiago Volpi foi alvo de muitas críticas dos torcedores do São Paulo, que usaram as redes sociais para lamentar que tenha voltado a falhar, não só no gol de cabeça de Madson, mas na cobrança de falta de Marinho, em que armou mal a barreira e deixou espaço aberto.

Fotos: Mercado do Futebol