O Ceará comemorou 105 anos neste primeiro domingo de junho e ganhou presente de grego do Santos, que venceu (1 x 0) no estádio Castelão lotado, em tarde de muita festa. Foi a segunda vitória como visitante e o atacante Eduardo Sasha marcou o gol aos sete do segundo tempo, após grande jogada do meia uruguaio Carlos Sanchez, que três minutos depois perdeu a chance do segundo gol. Tiago Galhardo, ex-Vasco, teve a melhor chance do Ceará, ao acertar o travessão quando ainda estava 0 x 0.

TERCEIRO – O Santos subiu duas posições e terminou a sétima rodada em terceiro com 14 pontos, após a quarta vitória, segunda como visitante. O time não contou com o zagueiro Gustavo Henrique, o apoiador Douglas Pituca e o meia Soteldo, suspensos, e não teve autorização da CBF para escalar o atacante Rodrygo, que estava com a delegação em Fortaleza, convocado para a seleção que disputará o torneio de Toulon, nona maior cidade da França. Ainda assim, a equipe santista fez bom jogo e mereceu vencer.

O CEARÁ sofreu a quarta derrota, segunda em casa, onde levou a virada (2 x 1) do Atlético Mineiro. Com nove pontos, o time caiu uma posição e terminou a sétima rodada em décimo quinto, sendo um dos quatro sem empate, junto com Goiás, Botafogo e Fluminense. O técnico Enderson Moreira admitiu que a ansiedade pela vitória, no dia do aniversário do clube e com a bela festa organizada pela torcida, que lotou o Castelão, deixou o time sob tensão, errando muitos passes e finalizações.

SANTOS – Everson, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Aguillar e Jorge; Jean Mota, Jean Lucas e Carlos Sanchez; Eduardo Sasha (Marinho), Fernando Uribe (Alisson) e Copete (Felipe Jonathan). O técnico argentino Jorge Sampaoli disse que não seria possível esperar mais dos estreantes Marinho, ex-Grêmio, que só jogou os doze minutos finais, e Fernando Uribe, ex-Flamengo, que ficou até os 22 do segundo tempo.

SÓ TRÊS CARTÕES – Ceará 0 x 1 Santos foi de bom nível disciplinar, disputado com muita lealdade. O árbitro Ricardo Marques Ribeiro, da Federação Mineira e da Fifa, só advertiu três com cartão amarelo: o zagueiro Luis Otávio e o meia Fernando Sobral, do Ceará, e o meia uruguaio Carlos Sanchez, do Santos. Algo raro no Castelão é a informação de renda e público.

Os dois próximos jogos serão com o Atlético Mineiro. Quinta (6), no Pacaembu, valendo vaga para as quartas de final da Copa do Brasil (no jogo de ida, 0 x 0, em Belo Horizonte), e domingo (9), na Vila Belmiro, podendo valer a subida de uma posição no Brasileirão: o Santos tem 14 pontos e o Atlético, 15.

CEARÁ – Diogo Silva, Samuel Xavier, Valdo, Luis Otávio e João Lucas; Fabinho, Pedro Ken (Felipe Baxola), Fernando Sobral e Tiago Galhardo; Leandro Carvalho (Mateus Gonçalves) e Bergson (Ricardo Bueno). O próximo jogo do vice-campeão cearense será sábado (8) com o Bahia, no Castelão, e na nona rodada, a última antes da Copa América, o Ceará jogará com o Vasco, em São Januário.

BOM DIZER – O Ceará Sporting Clube, fundado em 2 de junho de 1914, não é chamado de Vovô por ser o mais antigo clube do estado, mas porque o ex-presidente Meton Alencar Pinto, pai do atual presidente, ao receber os garotos do time juvenil do América, tratou-os como netinhos, e aí passou a ser chamado de vovô, apelido que o clube ganhou pouco depois da fundação.

Foto: Ivan Storti/Santos FC