Com os 6 x 1 deste primeiro domingo (4) de agosto no Goiás, na Vila Belmiro, o Santos manteve a liderança com 32 pontos e 10 vitórias, sétima consecutiva e oito jogos sem perder em 13 disputados, e igualou a maior goleada do Brasileirão 2019, que o Flamengo havia imposto três semanas antes sobre o Goiás, no Maracanã, no domingo 14 de julho pela sétima rodada. O Santos passou a ter o segundo ataque mais positivo (23), menos dois que o Flamengo (25) e mais três que o vice-lider Palmeiras (20).

MEIO A MEIO – Com domínio absoluto do jogo, em que não deu espaço ao Goiás, o Santos já saiu com 3 x 0 para o intervalo. O meia uruguaio Carlos Sanchez – artilheiro do time na temporada com 12 – fez o primeiro aos 9, após jogada de Pituca e Soteldo, outro destaque da goleada. O segundo gol foi do zagueiro Lucas Veríssimo, aos 15, completando de cabeça a falta de Carlos Sanchez, e o terceiro, aos 37, foi do outro zagueiro, Gustavo Henrique, após cabeçada de Sasha na trave. O Santos merecia mais que os 3 x 0, mas o goleiro Tadeu evitou.

MAIS TRÊS – O domínio do Santos continuou absoluto na volta do intervalo e o time aproveitou para dobrar o placar. Com passe de Carlos Sanchez, aos 7,Sasha fez 4 x 0, e os dois últimos do time foram do meia-atacante venezuelano Soteldo – o mais aplaudido no anúncio da escalação -, aos 22, com chute de meia distância, e aos 36, com assistência de Marinho. Kayke, aos 46, marcou o do Goiás, após cruzamento do atacante uruguaio Leandro Barcia, como também aconteceu nos 6 x 1 para o Flamengo.

OS LÍDERES – Everson, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Felipe Jonatan (Evandro, 17 do segundo tempo) e Carlos Sanchez; Eduardo Sasha (Fernando Uribe, 31 do segundo tempo), Derlis Gonzalez (Marinho, 27 do segundo tempo) e Soteldo. O Santos soma 32 pontos – 10 vitórias, 2 empates, 1 derrota, 23 gols pró e 9 sofridos – e foi orientado na área técnica pelo assistente Jorge Desio, que trabalha há 25 anos com o técnico argentino Jorge Sampaoli, primeiro suspenso por cartão amarelo no Brasileirão 2019. Ele volta à área técnica no jogo de sábado (10) com o São Paulo, no Morumbi.

O SANTOS, em fase final de acerto com o patrocínio master, usou no espaço da camisa seis iniciais: GRAACC – Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer. Depois do acerto com o lateral Pará, ex-Flamengo, de volta ao clube após sete anos, o Santos anunciou a contratação do zagueiroLuan Peres, paulistano de 25 anos, 1,90m, que estava no Club Brugge, da Bélgica. Ele viu a goleada no camarote do clube.

OS GOLEADOS – Tadeu, Kevin (Yago Rocha, 28 do segundo tempo), Rafael Vaz, Yago e Jeferson; Leo Sena, Marlone (Giovanni Augusto, 16 do segundo tempo) e Geovane; Michael (Marcinho, 36 do segundo tempo), Kayke e Leandro Barcia. O Goiás é dirigido por Claudinei Oliveira, nascido em Santos e ex-goleiro e técnico do Santos, que comandou em 2013. Com a quinta derrota, todas como visitante, o Goiás soma 17 pontos – 5 vitórias, 2 empates, e seu saldo negativo aumentou muito com os 6 x 1, passando a ser de sete gols (13 a 20).

O GOIÁS faz na próxima quarta (7) o jogo atrasado da sétima rodada com o Corinthians, na Arena Corinthians, e domingo (11) volta ao Serra Dourada, em Goiânia, para o jogo com o Vasco pela décima quarta rodada. Em três semanas, o Goiás sofreu as duas maiores goleadas ao voltar à Série A em 2019, com os 6 x 1 para o Flamengo e o Santos.

SETE AMARELOS – O árbitro Rafael Traci, da Federação Catarinense, teve atuação segura. Advertiu com cartões amarelos, quatro do Goiás: Yago, Kevin, Marlone e Kayke, único com falta grosseira, aos 12 do segundo tempo, ao chutar Victor Ferraz, caído. Os três advertidos do Santos foram Jorge, Uribe e Soteldo, que tirou a camisa para comemorar o quinto gol. R$510.020,00. 13.642 pagantes na Vila Belmiro, com os torcedores em delírio desde o momento em que o ônibus do clube chegou ao estádio.

Foto: Ivan Storti/Santos FC