O ponta-direita Marinho, alagoano de 30 anos, marcou de pênalti os gols da vitória (2 x 1) do Santos sobre o Grêmio, na tarde de ontem (11), na Vila Belmiro, mantendo-se vice-artilheiro do Campeonato Brasileiro de 2020, com 10 gols, menos três que o mineiro Tiago Galhardo, do vice-líder Internacional. Marinho alternou as cobranças, usando a cavadinha no meio do gol na primeira e batendo a segunda no canto direito. Diego Souza fez o gol do Grêmio, que foi para o intervalo perdendo (1 x 0).

BRAÇADEIRA – Marinho ganhou ainda mais ânimo, depois de receber do técnico Cuca a braçadeira de capitão, decisão que todos os companheiros aprovaram. O atacante tem procurado tornar o grupo ainda mais unido, em momento nada favorável do clube, com o afastamento do presidente José Carlos Peres, por improbidade, a quem criticou na entrevista, e procurou dar força ao novo presidente Orlando Rollo. Marinho aproveitou também para saudar a volta do atacante Robinho ao clube.

EXPULSÃO – O zagueiro David Braz, ex-Santos, foi advertido com cartão amarelo ao cometer o pênalti em Marinho, no lance do segundo gol, aos 34 do segundo tempo, mas o árbitro Braulio Machado, da Federação Catarinense e da FIFA, só o expulsou por outra falta no atacante, já nos acréscimos, aos 54 minutos. Sexto com 24 pontos em 15 jogos  6 vitórias, 6 empates, 3 derrotas, saldo de 4 gols (21 a 17) -, o Santos joga quarta (14), outra vez na Vila Belmiro, com o Atlético Goianiense.

PREOCUPADO – O técnico Renato Portaluppi começa a ficar preocupado com a situação do Grêmio, décimo quarto com 17 pontos, só dois pontos acima do Athletico Paranaense, Bahia e Corinthians, agora o primeiro do rebaixamento, com 15. O tricampeão gaúcho só ganhou três jogos, mesmo número de derrotas, e com oito empates, só está abaixo do Botafogo (9). Além disso, o Grêmio é o único dos vinte do campeonato, sem saldo de gol, zerado com 14 marcados e 14 sofridos.

 Foto: Ivan Storti/Santos F.C