O São Paulo assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro, ao vencer (3 x 0) o Goiás, na noite de ontem (3), no estádio da Serrinha, em Goiânia, em jogo adiado da primeira rodada, no domingo, 9 de agosto, porque o Goiás estava com todos os jogadores, e até o técnico Ney Franco, infectados pela Covid-19. Curiosamente, os times fizeram primeiro o jogo do returno, que o São Paulo ganhou (2 x 0) na noite de 7 de novembro no estádio do Morumbi.

BOA VANTAGEM – Com 44 pontos em 22 jogos (12 vitórias), o São Paulo abriu 2 pontos de vantagem sobre o vice-líder Atlético Mineiro, com 42 pontos em 23 jogos (13 vitórias), e cinco pontos sobre o Flamengo, terceiro com 39 em 22 jogos (11 vitórias). Bom dizer: o Atlético não tem jogo atrasado, enquanto o São Paulo tem o jogo com o Botafogo, dia 9 no Morumbi, e o Flamengo, o jogo com o Grêmio, em Porto Alegre, em data a ser remarcada.

BOAS CHANCES – O São Paulo tem boas chances de ampliar a vantagem nos dois próximos jogos no Morumbi, domingo (6), com o Sport, e quarta (9), com o Botafogo, o último de seus três jogos adiados. Com os 3 x 0 sobre o Goiás, o São Paulo tornou-se o melhor visitante do Brasileiro 2020, além de ter o segundo ataque mais positivo, igual ao do Flamengo, com 37 gols em 22 jogos. O do Atlético Mineiro é o mais positivo com 41 gols em 23 jogos.

SE VENCER OS dois próximos jogos, o São Paulo passará a ter vantagem também no primeiro quesito de desempate, o de vitórias, quando há igualdade em pontos, porque chegará a 14, enquanto o Atlético tem 13 e o Flamengo, 11. Com a defesa menos vazada (20), igual à do Grêmio, o São Paulo passou a ter também o melhor saldo de gols (17, quase três vezes mais que o do Flamengo (6). O saldo do Atlético é de 12 gols, e o do Internacional, quarto colocado, é de 11.

TRÊS COM 37 – Palmeiras, Santos e Grêmio, com 37 pontos, pressionam o Internacional (37) pela vaga no G-4. Palmeiras e Santos com 10 vitórias; o Grêmio com 9. O Santos não tem jogo atrasado, mas o Palmeiras ainda vai fazer o jogo adiado da primeira rodada com o Vasco, em São Paulo, e o Grêmio tem o jogo com o Flamengo, que seria sábado passado (29), em Porto Alegre, adiado, porque o Flamengo decidiria a vaga na Libertadores, três dias depois, com o Racing.

SEXTA VITÓRIA – Com os 3 x 0 no Goiás, o São Paulo completou a sexta vitória como visitante, depois de 1 x 0 no Sport; 2 x 1 no Palmeiras, e 4 x 1 no Flamengo, no Maracanã, na última rodada do turno, e 3 x 2 no Fortaleza e 3 x 1 no Bahia, no returno. Também como visitante, o São Paulo empatou (2 x 2) com o Santos, e em 1 x 1 com Internacional, Coritiba, e Ceará, no returno. As únicas derrotas fora de São Paulo foram para o Atlético (3 x 0), no Mineirão, e para o Vasco (2 x 1), em São Januário. Bom dizer: o Vasco foi o único time do Rio que o São Paulo não conseguiu vencer (1 x 1, no returno, no Morumbi).

19 MESES DEPOIS – Poucos se recordam, mas o São Paulo não assumia a liderança, desde a segunda rodada do Brasileiro de 2019, em maio. Time que menos perdeu no Brasileiro de 2020 – só duas derrotas em 22 jogos -, o São Paulo, do segundo ataque mais positivo, com 37 gols, tem o terceiro artilheiro, Luciano, com 11, menos 2 gols que Marinho (13), do Santos, e menos 4, que Tiago Galhardo (15), do Internacional.

TRÊS ANOS DEPOIS – Das oito finalizações do São Paulo no primeiro tempo, cinco foram de fora da área, como no primeiro gol, que o meia Igor Gomes marcou aos 20 minutos, no canto do goleiro Tadeu, que ainda tocou na bola. Na volta do intervalo, o São Paulo fez 2 x 0 logo aos 4 minutos, e o gol emocionou o atacante Brenner, que não marcava há quatro jogos, desde os dois que fez no Flamengo, nos 4 x 1 do Maracanã, na noite da quarta-feira, 11 de novembro, pela Copa do Brasil. 

GRANDE MOTIVAÇÃO – Para quebrar a tensão de Brenner, pelos quatro jogos sem marcar, o São Paulo criou grande motivação para o jovem atacante cuiabano, ao exibir o video do primeiro gol que ele fez, aos 17 anos, com a camisa tricolor, no 1 x 1 com o Bahia, na última rodada do Brasileiro de 2017, domingo, 3 de dezembro, no Morumbi. Foi o jogo de despedida do uruguaio Diego Lugano, que formava a zaga com Rodrigo Caio, e desde janeiro de 2018 é diretor de relações institucionais do São Paulo.

PERTO DA GOLEADA – Depois de Brenner fazer 2 x 0 e chegar aos 18 gols em 2020, o São Paulo ampliou para 3 x 0 com o gol do meia Hernanes, aos 38 minutos, com boa assistência de Tchê Tchê, e ficou perto da goleada, aos 41, quando Vitor Bueno exigiu do goleiro Tadeu – jogador de mais regularidade do time do Goiás – uma defesa daquelas chamadas de milagrosas, no último jogo atrasado do lanterna, a quem o São Paulo impôs a décima terceira derrota, sexta em Goiânia.

NOVOS LÍDERES – Tiago Volpi, Juanfran (Igor Vinicius), Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Luan, Daniel Alves, Gabriel Sara (Tchê Tchê) e Igor Gomes (Vítor Bueno); Luciano (Hernanes) e Brenner (Pablo). O São Paulo completou o sexto jogo sem sofrer gol, após 1 x 0 no Fortaleza, Sport e Athletico Paranaense; 0 x 0 com o Grêmio, e 3 x 0 no Atlético Goianiense e no Goiás. O técnico Fernando Diniz voltou a elogiar a postura da defesa, tanto quanto o aumento dos chutes de meia distância dos atacantes.

QUINTA VEZ – Sem capacidade de reação para sair do último lugar, com 16 pontos em 23 jogos – 3 vitórias (o que menos venceu, igual ao Botafogo), 7 empates, 13 derrotas (o que mais perdeu, igual ao Coritiba) -, o Goiás tem o segundo pior ataque (24 gols, igual ao do Vasco; o pior é o do Botafogo, com 22), e a defesa mais vazada (40). O clima é de desolação, como se viu na imagem do meia Gustavo Blanco, abatido, quase chorando. O Goiás pode voltar à Série B, como em 1993, 1998, 2010 e 2015.

Foto: Folha Go