Enquanto o Santos manteve com certa folga o terceiro lugar, com 65 pontos, o São Paulo pode cair uma posição e terminar a rodada em sétimo, com 53, depois do 1 x 1 deste sábado (16), na Vila Belmiro, se o Athletico Paranaense, com 50, vencer o Botafogo, porque passará a ter mais uma vitória (15 a 14).

1 x 1 JUSTO – Foi o trigésimo nono 1 x 1 do Brasileirão 2019 e se ajustou bem ao rendimento dos times. O Santos saiu em vantagem para o intervalo com o gol do meia uruguaio Carlos Sanchez, convertendo pênalti de Arboleda em Evandro aos 8, e o São Paulo empatou aos 10 com o chute forte cruzado do meia Daniel Alves.

TERCEIRO – Foi o sétimo empate do Santos, segundo 1 x 1, primeiro no returno. Ainda que o Grêmio, com 56 pontos, ganhe do Flamengo, o Santos manterá seis pontos de vantagem sobre o campeão gaúcho, que, mesmo perdendo, não sairá do quarto lugar. O Santos vinha de cinco vitórias consecutivas e poderia ter ficado igual em pontos ao Palmeiras (64).

SEM VENCER – O São Paulo completou três jogos sem vencer, após perder do Athletico Paranaense (1 x 0) e do Fluminense (2 x 0), e passou a ser o terceiro com mais empates (11), depois do Cruzeiro (14) e do Corinthians (13). Foi o segundo 1 x 1 do tricolor paulista, que segue fazendo temporada irregular.

SANTOS – Everson, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Alison (Jean Mota, 41 do segundo tempo), Carlos Sanchez e Felipe Jonatan (Diego Pituca, 13 do segundo tempo); Evandro (Tailson, 22 do segundo tempo), Eduardo Sasha e Marinho. Técnico – Jorge Sampaoli. O próximo jogo é sábado (23), às 21 horas, com o Cruzeiro, na Vila Belmiro.

SÃO PAULO – Tiago Volpi, Juanfran, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Jucilei (Liziero, intervalo), Tchê Tchê, Daniel Alves (Gabriel Sara, 45 do segundo tempo) e Igor Gomes; Vitor Bueno e Pablo. Técnico – Fernando Diniz. O próximo jogo é domingo (24) com o Ceará, na Arena Castelão, em Fortaleza.

PRESIDENTE – Palmeirense assumido, o presidente Jair Bolsonaro foi à Vila Belmiro e assistiu em companhia de José Carlos Peres, presidente do Santos. Ele visitou o riquíssimo salão de troféus do primeiro clube brasileiro bicampeão da Libertadores e Mundial de clubes, em 62-63, na época do mais famoso ataque do Santos: Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe.

DESIGUALDADE – O Santos acrescentou uma novidade, os percentuais (%) nos números das camisas. Segundo o clube, com o objetivo de demonstrar que os negros brasileiros continuam sofrendo muito em relação aos brancos, em termos de formação superior, profissão, salário e até em homicídios.

QUATRO CARTÕES – Flávio Rodrigues de Souza, árbitro da Federação Paulista e do quadro nacional da CBF, teve boa atuação, facilitada pelo bom nível disciplinar do jogo. O meia Felipe Jonatan foi o único do Santos advertido com cartão amarelo. Os outros foram Bruno Alves, Vitor Bueno e Pablo. R$ 602.192,50. 14.062 pagantes na Vila Belmiro.

Foto: Portal Roma News