Com objetivos bem diferentes, São Paulo e Botafogo fazem na noite de hoje (9), no estádio do Morumbi, um jogo de muitos contrastes. O líder São Paulo, em seu último dos três jogos adiados, tentando ampliar a vantagem para 7 pontos sobre o vice-líder Atlético Mineiro; para 8 pontos sobre o Flamengo, terceiro, e para 10 pontos sobre o Grêmio, quarto, sendo bom lembrar que Grêmio e Flamengo, com menos um jogo, vão se enfrentar na Arena Grêmio, dia 27 de janeiro.

ÚNICO INVICTO – Será o décimo segundo jogo do São Paulo no Morumbi, onde ganhou sete, empatou quatro e se mantém como único invicto, com o mando de campo, no Brasileiro 2020. Time que menos perdeu, só foi derrotado como visitante, no primeiro turno: 2 x 1 para o Vasco, em São Januário, e 3 x 0 para o Atlético, no Mineirão, na sétima rodada, em 3 de setembro. Com nove vitórias e sete empates, o São Paulo pode chegar aos 17 jogos consecutivos sem derrota.

OITO SEM VENCER – Será o décimo primeiro jogo do Botafogo como visitante, em que só conseguiu uma das três vitórias, por sinal a última, 2 x 1 sobre o Sport, em Recife, em 11 de outubro. Antes, só havia ganhado, em seu estádio Nilton Santos, do Atlético Mineiro e do Internacional. De seus 11 empates, cinco foram fora de casa, onde sofreu quatro das nove derrotas. Sem vitória nos últimos 8 jogos, o Botafogo empatou 2 e perdeu 6. Uma série triste, amarga, que castiga e deprime o torcedor.

10 PENDURADOS – O São Paulo não terá o experiente Daniel Alves, suspenso pelo acúmulo de cartões, mas a preocupação do técnico Fernando Diniz, que olha em todas as direções, é com o clássico de domingo (13), na Arena Corinthians. No jogo com o Botafogo, há 10 pendurados, entre os que vão iniciar e os que podem entrar no decorrer: Arboleda, Reinaldo, Leo, Luan, Juanfran, Igor Vinícius, Tchê Tchê, Gabriel Sara, Igor Gomes e Vítor Bueno.

RETA FINAL – Para o Botafogo, todo jogo passa a ser uma decisão, e com obrigação de vencer. O desta quarta (9) é o primeiro dos nove a serem disputados como visitante.Depois do São Paulo virão Internacional, Coritiba, Santos, Palmeiras, Goiás e Ceará (última rodada), mais os clássicos com Vasco, em São Januário, e com Fluminense, no Maracanã. Os restantes no estádio Nilton Santos: Corinthians, Athletico Paranaense, Atlético Goianiense, Sport, Grêmio e, outra vez, o São Paulo, na penúltima rodada.

OS 14 DO SÃO PAULO – Depois do jogo com o Botafogo, o líder São Paulo terá mais sete jogos no Morumbi: Atlético Mineiro, Santos, Internacional, Coritiba, Palmeiras, Ceará e Flamengo. Para os jogadores, a ascensão do time começou nos 4 x 1 sobre o Flamengo, no último jogo do turno, no Maracanã. E outros sete jogos como visitante: o do próximo domingo (13) com o Corinthians, Fluminense, Bragantino, Athletico Paranaense, Atlético Goianiense, Grêmio e Botafogo, na penúltima rodada. 

TRANQUILIDADE – Aos 41 anos, o bacharel em direito e professor universitário Ricardo Marques Ribeiro, natural de Belo Horizonte, é uma das referências da arbitragem mineira, não só pelas qualidades técnicas, mas pela tranquilidade com que sempre conduz os jogos. Um ano depois de dez temporadas como árbitro FIFA, até 2019, ele está praticamente se retirando dos gramados, com o reconhecimento da CBF. São Paulo x Botafogo está bem de acordo com o nível de um árbitro de categoria.