Adílio, tão importante quanto cumprimentá-lo pelos 64 anos que você completa hoje, 15 de maio de 2020, como um dos notáveis e imortais da história do futebol do Flamengo, é desejar que você tenha muita saúde, e esteja, rapidinho, de novo em contato conosco. Você é muito mais forte que essa gastrenterite; vai driblá-la e voltar firme e forte, Adílio!

DESDE CEDO – Adílio nasceu campeão, ao ganhar aos 14 anos, em 1971, o primeiro título e o prêmio de melhor jogador do torneio de Croix, a 8 km de Lille, maior cidade do norte da França. Profissional de 1975 a 1997, é o terceiro que mais vestiu (e honrou) a camisa do Flamengo, com 128 gols em 616 jogos, depois de Junior (876) e Zico (732).

MUNDIAL – Vi de perto, no tempo de repórter de campo de rádio, os dois gols que Adílio considera os mais importantes dos 128 que marcou: o segundo, dos 3 x 0 na final de 1981, no Estádio Nacional de Tóquio, onde o Flamengo só precisou de 28 minutos para liquidar o Liverpool e ganhar seu único Mundial. O melhor Flamengo de todos os tempos!

Adílio com a Copa Toyota do Mundial de clubes 1981

BRASILEIRO – Dois anos depois, na final do Brasileiro de 1983, Adílio marcou o último dos 3 x 0 no Santos, no terceiro título do Flamengo, bicampeão 82-83, depois de ter ganho o primeiro Brasileiro em 1980. Bom lembrar:  Adílio foi aplaudido de pé, no Maracanã, pelo maior público de toda a história dos Campeonatos Brasileiros: 155.523 pagantes!

CHUTEIRA DE OURO – No currículo de Adílio, quatro Campeonatos Cariocas, os dois de 1979, o de 1981 e o de 1986. Ganhou três vezes a Taça Rio e seis vezes a Taça Guanabara. Nos Brasileiros de 77 e 78, Bola de Prata da revista Placard, e com todos os méritos recebeu a Chuteira de Ouro como destaque do Campeonato Carioca de 1981.

MAIS QUATRO – Adílio é grato aos técnicos que tanto o ensinaram, entre eles CoutinhoZagallo eCarpegiani, único campeão da Libertadores e do Mundial de clubes no mesmo ano, mas ressalta que também aprendeu muito em campo, na prática. E soube ensinar. Com ele no comando, o Flamengo foi campeão da Taça BH, em 2003 e 2007, campeão carioca sub 17 em 2004 e tricampeão carioca sub 20 em 2005-06-07.

Adílio com João Havelange na final do Mundial de Futsal

CAMPEÃO DE FUTSAL – Antes de se retirar do futebol de campo, Adílio ainda foi campeão de 1989 no Barcelona, de Guaiaquil, time mais popular do Equador. Também em 1989, Adílio voltou a exibir toda sua categoria, ao ganhar com a seleção brasileira o primeiro Mundial de Futsal, vencendo na final (2 x 1) a anfitriã Holanda, após eliminar a Bélgica na semifinal.

FLA MASTER – Adílio desenvolve com sucesso o projeto Fla Master, que leva a vários pontos do país a equipe composta por ele e por vários antigos companheiros. A agenda está sempre completa, com os convites de municípios mais próximos e de cidades mais distantes. Coisa boa é estar com ele e com Julio Uri-Geller Cesar, vice-presidente do Fla Master, tomando um cafezinho na Gávea, nas tardes de treino.

Adílio entre Deni Menezes e o presidente Rodolfo Landim

CONSENSO – Entre os rubro-negros de várias épocas, há um consenso: o Flamengo não teve meio-campo mais técnico, habilidoso e criativo que Andrade, Adílio e Zico. O show que eles ofereceram, em jogos que entraram para a história, baseava-se em futebol primoroso, do mais elevado nível. Saúde, Adílio! Parabéns pelos 64! 

Fotos: Arquivo pessoal, Pinterest, Museu da Pelada, Coluna do Fla, Aqui Notícias e Net Fla