O EX-MEIA BONIEK, UM DOS CRAQUES NOTÁVEIS DA HISTÓRIA, hoje aos 65 anos, vice-presidente da União Europeia de Futebol, anunciou nesta 6ª feira (17) que a seleção brasileira e mais nove sul-americanas participarão da Liga das Nações com as seleções da Europa, a partir de 2024. Assim, a Liga A passará de 16 para 22 seleções, e a Liga B, de 16 para 20 seleções, e as sul-americanas entrarão na Liga das Nações, conforme a classificação para a Copa do Mundo.

PRIMEIRO EFEITO – Boniek disse que “a participação das seleções da América do Sul, no maior torneio de seleções da Europa, pode ser comemorada como primeiro efeito da criação do escritório em comum, com sede em Londres, após a reunião dos presidentes da Confederação Sul-Americana e da União Europeia, para estreitar relações e criar novos eventos para valorizar ainda mais o futebol mundial”. 

MOLDES DA COPA – O vice-presidente da União Europeia de Futebol salientou que “o torneio intercontinental, com as seleções sul-americanas e europeias se enfrentando sempre na Europa, em revezamento de sedes, ficará bem próximo dos moldes da Copa do Mundo”. Boniek descartou conflito com a FIFA: “Não há hipótese. Conmebol e Uefa, com o conhecimento da FIFA, assinaram um Memorando de Entendimento, que lhes permite fazer o torneio até 2028”.

OS GRUPOS – Sobre a formação dos grupos, Boniek antecipou com clareza: “As seis primeiras da Conmebol – Brasil, Argentina, Colômbia, Peru, Chile e Uruguai – entram na Liga A, e as outras quatro – Paraguai, Equador, Bolívia e Venezuela – entram na Liga B. Não haverá problema algum com a FIFA, como demonstraremos após elaborarmos o calendário, planejado dentro do mais elevado nível profissional do futebol”.

BOM LEMBRAR – Zbigniew Boniek, meia técnico destro de raro talento, com bom porte físico e alta velocidade, fez parte da geração de ouro do futebol polonês, 3º lugar na Copa de 74, ao vencer o Brasil por 1 x 0, após ficar 36 anos fora da Copa do Mundo. O zagueiro Zmuda, o meia Deyna e o ponta Lato, autor do gol no 1 x 0 no Brasil, eram os outros destaques. Boniek brilhou em 78 na Copa da Argentina e mais ainda em 82, perdendo a semifinal para a campeã Itália.

EM NÍVEL DE CLUBES, Boniek substituiu Paulo Roberto Falcão, o Rei de Roma, ganhando o Campeonato Italiano 83-84 em uma equipe com Dino Zoff, Cabrini, Sciréa e Tardelli. Dizia-se na época: “Em Roma, mandam dois: Boniek e o Papa João Paulo II”. Após a Copa de 82, Boniek saiu da Roma para a Juventus, onde dividiu as honras com outro notável, o meia francês Michel Platini. Boniek define Falcão com duas palavras: “Extraordinário. Brilhante”.

Foto: Insidethegame