A FAIXA COM SUA FOTO, exibida pelos jogadores da seleção brasileira após a goleada sobre a Coreia do Sul por 4 x 1, na noite de ontem (5), no Estádio 974, no Catar, emocionou o eterno e único rei do futebol. Pelé agradeceu em suas redes sociais: “Obrigado, amigos. Vocês aumentaram a alegria do meu dia”.

PELÉ ACOMPANHOU O JOGO no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado para tratamento de câncer de cólon e infecção respiratória, apresentando quadro estável, de acordo com o mais recente boletim médico. Os jogadores e o técnico Tite fazem oração pela recuperação rápida e completa de Pelé.

OS TORCEDORES brasileiros presentes ao estádio também estenderam uma grande bandeira com a foto de Pelé e os dizeres em inglês Get beter soon (Fique bom logo). A demonstração de carinho foi feita aos 10 minutos, em alusão ao número da camisa que ele usava e tornou referência de artilheiro em vários países do mundo.

A DEMONSTRAÇÃO anterior de carinho da seleção a um ídolo, foi feita no domingo, 17 de julho de 1994, no gramado do Estádio Rose Bowl, em Los Angeles, minutos após o Brasil ganhar a 4ª Copa do Mundo. Os jogadores exibiram e posaram com a faixa “Senna…Aceleramos juntos, o tetra é nosso”.

AYRTON SENNA morreu 11 dias depois de ter visitado a seleção em Paris e aceitado o convite para dar o pontapé inicial do amistoso com o combinado PSG-Bordeaux, que terminou 0 x 0, na noite da 4ª feira, 20 de abril de 94. Os 45 mil torcedores se levantaram no Parque dos Príncipes e Ayrton Senna se emocionou com os aplausos.

SENNA morreu no domingo, 1 de maio de 1994, no Grande Prêmio de San Marino, terceira corrida da temporada, no circuito de Ímola. O maior piloto da história da Fórmula 1 perdeu o controle do carro porque a barra de direção quebrou. Ele teve 41 vitórias, 80 pódios, 65 poles e 19 voltas mais rápidas em sua vitoriosa carreira.

“O AYRTON NOS INSPIROU. Ele parecia tímido, mas era alegre e brincalhão” – resumiu Bebeto, um dos destaques da seleção, que comemorou o nascimento do filho Mateus, com o embala-neném, entre Romario e Mazinho, após marcar o 2º gol dos 3 x 2 na Holanda, em 9 de julho de 94, no estádio Cotton Bowl, em Dallas.

Fotos: Divulgação