Escolha uma Página

O FUTEBOL AMAZONENSE está em festa, com a classificação inédita à Série B do Campeonato Brasileiro de 2024 e o recorde de público do time com o nome do maior estado do Brasil. O Amazonas venceu o Botafogo da Paraíba por 2 x 0, diante de 41.850 pagantes, segundo maior público da Arena Amazônia, e decidirá com o Brusque, de Santa Catarina, o título de campeão da Série C de 2023, nos dois próximos domingos (15 e 22), em Manaus e em Brusque.

O AMAZONAS FC levou ao delírio os quase 45 mil torcedores, sábado (7), ao garantir a vaga na decisão da Série C com a vitória sobre o Botafogo, de João Pessoa, por 2 x 0, gols dos meias Diego Torres, de pênalti, aos 19 minutos, em lance revisado sete minutos pelo árbitro catarinense Ramon Abatti Abel, e Rafael Tavares aos 23 minutos do 1º tempo, e soube manter o controle do jogo até o final. O Brusque, adversário do Amazonas, ficou no 0 x 0 com o gaúcho São José.

O TIME DA DECISÃO da Série C: Edson Mardden, Patric (c), Maycon, Jackson e Renan Castro; Philippe Guimarães, Italo (Foguinho), Diego Torres e Rafael Tavares (Yuri Ferraz); Igor Bolt (Lucas Silva) e Luan Santos (Jorge Jimenez). O Amazonas FC é dirigido pelo catarinense de Criciúma, Luizinho Vieira, ex-meia de 51 anos, que tem pré-contrato assinado com o Confiança de Aracaju, mas não descarta continuar em Manaus, “pelo tratamento especial que recebo em Manaus”.

CLUBE MAIS NOVO do futebol amazonense, o Amazonas FC foi fundado na 5ª feira, 23 de maio de 2019, em Manaus, e teve ascensão meteórica, ganhando em menos de seis meses a Série B do Campeonato Amazonense, e conseguindo a vaga na Série D do Campeonato Brasileiro pelo 3º lugar no Campeonato Amazonense de 2021. O clube conta com apoio da TVLar, maior empresa varejista do estado, e do Guaraná Baré, desde 1960 o mais vendido no Amazonas.

NAS CORES amarelo, preto e branco, o aurinegro de Manaus, tem o nome do maior estado do país, com 1.570.745.680 km2, maior que as áreas da Alemanha, França, Reino Unido e Japão somadas, lição que mestre Mario Ypiranga Monteiro, catedrático em Geografia, me ensinou nas aulas dos anos 50 do Colégio Estadual do Amazonas, na Praça Heliodoro Balbi. Bom dizer também que o estado do Amazonas é maior que a região Nordeste e as regiões Sul e Sudeste juntas.

O AMAZONAS FC escolheu como mascote a Onça-pintada, terceiro maior felino do mundo, depois do tigre e do leão, e o maior do continente americano. O clube adota a política dos pés-no-chão e o salário base é abaixo de R$10 mil, mas o pagamento não atrasa, é todo dia 5 do mês.

AMAZONENSE BRILHA NO PALMEIRAS

A ZAGUEIRA Flavia Mota, natural do município de Manacapuru, a 99 km da capital Manaus, é outro motivo de orgulho do futebol amazonense. Titular do Palmeiras, campeão da Libertadores feminina de 2022, ela participou da segunda goleada da equipe, que lidera o Grupo A da Libertadores de 2023, neste domingo ( 8 ) sobre o Caracas por 6 x 0, depois de 5 x 0 no Barcelona do Equador no jogo de estreia. Os jogos estão sendo realizados em cidades da Colômbia.

FLAVIA MOTA, de 22 anos, iniciou a carreira no Clube Desportivo de Manacapuru, do professor Fredson Leite, e tornou-se profissional no Iranduba, município à margem esquerda do rio Solimões, a 23 km da região metropolitana de Manaus, ligado à capital amazonense pela ponte Rio Negro. Pelo Esporte Clube Iranduba, Flavia Mota disputou o 1º Campeonato Brasileiro Sub-18 em 2019, ano em que também integrou a seleção brasileira Sub-20, campeão sul-americana.

Fotos: Julcemar Alves/Sedel e Mauro Neto/Secom e Reprodução Redes Sociais