Escolha uma Página

O Bahia vai às quartas de final da Copa Sul-Americana, pela primeira vez, após eliminar o Botafogo – 5 x 4 nos pênaltis -, na noite de ontem, no estádio Nilton Santos, diante de 28.256 pagantes: R$496.410,00. O Botafogo venceu (2 x 1) no tempo normal, pelo mesmo placar que havia perdido o jogo de ida em Salvador. A disputa pela vaga foi marcada pelo equilíbrio e obrigou os times a decidirem nos pênaltis, também em condições de igualdade.

OS TRÊS GOLS – O Botafogo se apresentou melhor no primeiro tempo em que foram marcados os três gols. Pimpão fez o primeiro aos 26, Edigar Junio empatou aos 33 e o gol da vitória foi de Luis Fernando aos 39, após driblar o goleiro Douglas e finalizar com o gol vazio. No segundo tempo, entraram Renatinho aos 16, saindo Mateus Fernandes; Aguirre aos 31 no lugar de Luis Fernando, e Marcelo Benevenuto no lugar de Gustavo aos 37. Boa arbitragem do argentino German Delfino.

OS PÊNALTIS – Nas cobranças dos dez primeiros, Lindoso, Aguirre, Kieza e Renatinho converteram para o Botafogo. O lateral Marcinho acertou a trave direita. Converteram para o Bahia, Gilberto, Zé Rafael, Allione e Nilton. O goleiro Saulo defendeu a cobrança de Jackson. Nas cobranças alternadas, o goleiro Douglas, do Bahia, defendeu a primeira do lateral-esquerdo Moisés, e Flávio converteu para o Bahia com chute forte no meio do gol (5 x 4).

ATLÉTICO PARANAENSE será o adversário do Bahia nas quartas de final, depois de vencer (2 x 1) o Caracas, da Venezuela, na Arena da Baixada, em Curitiba. Marcelo Cirino fez 1 x 0 aos 30 do primeiro tempo, Robert Garcés empatou logo aos três do segundo tempo, e o lateral-esquerdo Renan Lodi marcou o gol da vitória aos 11, com passe de Pablo. No jogo de ida, em Caracas, o Atlético venceu (2 x 0) com dois gols de Rafael Veiga, que não atuou esta noite devido às dores musculares.

TÉCNICO APLAUDIDO – Gaúcho de Santa Maria da Boca do Monte, o técnico Tiago Nunes, 38 anos, assumiu o time do Atlético Paranaense em junho deste ano e conseguiu esta noite a nona vitória em dez jogos na Arena da Baixada, onde empatou o outro jogo. Saiu aplaudido pelos torcedores pela classificação da equipe. Ele não foi jogador, e além de times gaúchos, foi campeão acreano em 2010 pelo Rio Branco, de Boa Vista, e no ano seguinte comandou o Nacional FC, de Manaus.

Foto: Mauro Pimentel / AFP