Escolha uma Página

Jorge Sampaoli, técnico argentino que levou o Santos ao vice-campeonato brasileiro em 2019, viu o Atlético Mineiro, que comandará em 2020, vencer (2 x 1) o Cruzeiro, na noite deste sábado (7), no que pode ter sido o único jogo este ano entre ambos, de vez que o Cruzeiro, pela primeira vez, disputará a Série B do Campeonato Brasileiro. O Mineirão registrou R$753.615,00. 53.576 pagantes, em jogo de muita tensão dos treinadores.

ADILSON BATISTA, curitibano de 51 anos, técnico do Cruzeiro, atravessou o gramado, passou em frente ao banco de reservas do Atlético e chutou um copo d’água, depois de comemorar enlouquecido o gol do meia Thiago, que empatou de cabeça aos 22 do segundo tempo. James Freitas, mineiro de 51 anos, técnico interino do Atlético, também se excedeu quando Otero fez o gol da vitória, aos 48 minutos. Adilson e James receberam cartão amarelo.

EXPULSÃO – Apesar de jovem, o árbitro mineiro Felipe Fernandes Lima, de 32 anos, teve firmeza para controlar a tensão do clássico. Ele advertiu com cartão amarelo, cinco jogadores do Cruzeiro – Edilson, Arthur, Edu, Thiago e Marcelo Moreno – e quatro do Atlético – Guga, Jair, Allan e Otero, expulso ao tirar a camisa para comemorar o gol. Houve excesso de provocação entre jogadores e técnicos, tornando o jogo muito tenso do início ao fim.

BALÕES DA B – Os torcedores do Atlético, que voltou a ter mando de campo depois de sete anos, desde que o Mineirão reabriu em 2013, após as obras para a Copa de 2014, exibiam balões com a letra B em dourado, alusão ao rebaixamento do Cruzeiro. A reação da torcida cruzeirense foi com o coro “Ah, é Afogados”, porque o Atlético foi eliminado da Copa do Brasil pelo time do Afogados da Ingazeira, do sertão de Pernambuco.

GOLS BONITOS – A tensão e o nervosismo não tiraram o brilho dos gols bonitos. O zagueiro Igor Rabello, ex-Botafogo, fez o primeiro do Atlético, de calcanhar, aos 37, com a bola batendo no travessão, após escanteio de Otero. Na volta do intervalo, Thiago empatou de cabeça, aos 22, depois do cruzamento sob medida de Edilson. E aos 48, com chute no ângulo, o venezuelano Otero fez o gol da vitória, tirou a camisa e foi expulso.

ATLÉTICO – Victor (cap), Guga, Igor Rabello, Gabriel e Arana; Jair, Allan (Marquinhos), Nathan e Otero; Savarino (Cazares) e Ricardo Oliveira (Tardelli, de volta ao clube). O América lidera, o Atlético é vice-líder e o Cruzeiro caiu para o quinto lugar, embora ainda com chance de se recuperar para disputar as finais do campeonato. O próximo jogo do Atlético é sábado (14), em Nova Lima, com o Vila Nova.

CRUZEIRO – Fábio (cap), Edilson, Arthur, Cacá e João Lucas; Edu (Jean), Jadson, Pedro Bicalho (Jhonata Robert) e Maurício (Thiago); Everton Felipe e Marcelo Moreno. O Cruzeiro volta ao Mineirão, quarta (11) para o jogo da terceira fase da Copa do Brasil com o CRB, de Maceió. O Cruzeiro, com seis títulos, é o maior vencedor da Copa do Brasil, em que só o campeão garante vaga no Brasileirão do ano seguinte.

CONTRATAÇÕES – O técnico Jorge Sampaoli, de 51 anos, que em 2019 levou o Santos ao vice-campeonato brasileiro, pedirá cinco contratações ao Atlético para a temporada de 2020. O campeonato estadual será, segundo ele, uma boa fonte de observações para a montagem do time que estreará em maio no Brasileirão, com o Flamengo, no Maracanã. Bom lembrar: o Atlético só ganhou um Campeonato Brasileiro, em 1971, dirigido por Telê Santana.

Foto: Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético