CAMPEÃO COMO JOGADOR em 98 e técnico em 2018 pela seleção da França, o ex-meia Didier Deschamps tenta igualar domingo (18) o recorde do italiano Vittorio Pozzo, único técnico a ganhar duas Copas do Mundo consecutivas, em 1934 e 1938. O Brasil foi campeão em 1958 com Vicente Feola e em 1962 com Aymoré Moreira.

DIDIER DESCHAMPS, de 54 anos, foi meia criativo e talentoso, campeão francês em 91 no Bordeaux e da Liga dos Campeões 92-93 no Olympique Marselha. Brilhou em 180 jogos na Juventus, entre 94 e 98, e assumiu a seleção em 2012 e é o segundo técnico com mais vitórias, 14 em 18 jogos, depois do alemão Helmut Schon, com 16 em 25 jogos.

O TÉCNICO FRANCÊS superou Luis Felipe Scolari, que caiu para 3º, com 14 vitórias em 21 jogos, e Zagallo, com 13 vitórias em 20 jogos. O 5º da lista passou a ser o alemão Joachim Low, campeão do mundo em 2014, com 12 vitórias em 17 jogos. O goleiro e capitão Hugo Lloris resume: “Didier é prático e objetivo na orientação”.

VITTORIO POZZO, até hoje o técnico a ganhar duas Copas consecutivas, dirigiu a seleção italiana com 63 vitórias em 95 jogos, de 1928 a 1948, época de poucas competições. Antes das Copas de 34 e 38, ganhou os Jogos Olímpicos de 1912. Pozzo só dirigiu duas equipes, Torino e Milan.

QUANDO COBRI a Copa de 90, alguns colegas comentaram comigo que o prestígio do técnico entrou em declinio por suas ideias de direita, ainda que não tivesse ligação clara com o Partido Nacional Fascista de Mussolíni. O nome de Pozzo foi rejeitado em Turim, onde nasceu, e o estádio ganhou o nome de Delle Alpi.

Foto: Divulgação / Montagem.