Escolha uma Página

O presidente Wilmar Valdez, da Associação Uruguaia de Futebol, anunciou no final da tarde de hoje (19) a demissão de do técnico Óscar Tabárez, que dirigiu a seleção durante 15 anos, três dias depois da derrota por 3 x 0 para a Bolívia, em La Paz, que deixou o Uruguai em 7º lugar, com 16 pontos, 4 vitórias, 4 empates, 6 derrotas, saldo negativo de sete gols. O mais cotado para assumir é Diego Aguirre, ex-São Paulo, atual técnico do Internacional.

ÓSCAR TABAREZ assumiu em 2006 e dirigiu a seleção uruguaia nas Copas do Mundo de 2006, 2010, quando conseguiu o 4º lugar como melhor classificação, e 2014. Desde 23 de março de 2017 tornou-se o técnico recordista mundial de jogos (173) no comando de uma seleção, e saiu depois de 194 jogos, com 94 vitórias, 49 empates, 51 derrotas. Em 6/7/2018, ao ser eliminado pela França (2 x 0), completou 20 jogos, só menos 5 que o recordista alemão Helmut Schon.

POUCO DEPOIS de encerrar a carreira de doze anos de zagueiro, Óscar Tabárez passou a sofrer da Síndrome de Guillan-Barré, que limita a redução dos movimentos, exigindo o uso constante de bengala para andar lentamente. Via os jogos sentado e passava instruções através do assistente. Técnico de clube, Tabárez ganhou a Libertadores de 87 dirigindo o Peñarol e o título argentino de 92 no comando do Boca. Com a seleção uruguaia, campeão da Copa América de 2011.

SÓ AS QUATRO PRIMEIRAS SE CLASSIFICAM para a Copa de 2022. Brasil, com 35 pontos, e Argentina, com 29, estão garantidos no Catar 2022. O Equador, 3º, com 23, e a Colômbia, 4º, com 17, bem encaminhados. Peru (17 pontos), Chile e Uruguai (16) ainda tentam as duas últimas vagas. Sétimo com 16 pontos e saldo negativo de 7 gols (14 a 21), o Uruguai está fora até mesmo da repescagem. Os próximos jogos serão em fevereiro com Venezuela e Peru.

Foto: elobservador