O ATLÉTICO MINEIRO INICIOU 2022 COMO TERMINOU 2021: CAMPEÃO! Depois da Tríplice Coroa de campeão mineiro, brasileiro e da Copa do Brasil, ganhou pela primeira vez a Supercopa do Brasil, ao vencer o Flamengo nos pênaltis por 8 x 7, após 2 x 2 nos 90 minutos. Hulk, capitão do time, converteu a 1ª e a última cobrança, e levou a torcida do Atlético ao delírio, ao erguer a taça na Arena Pantanal.

O ATLÉTICO FEZ O CERTO, colocando seu melhor batedor para abrir as séries, depois do empate 5 x 5. Hulk converteu o 1º pênalti, enquanto Gabriel só bateu o quinto. Nas alternadas, Hulk foi o primeiro a cobrar e outra vez converteu, enquanto Gabriel, que também deveria ser o primeiro, se houvesse comando técnico, ficou olhando Vitinho não aproveitar a última, após converter bem a 2ª cobrança.

GABRIEL NÃO QUIS cobrar o pênalti na série alternativa, o que também deixa clara a falta de comando do técnico, que não pode prescindir do artilheiro e melhor batedor do time. É esfarrapada a desculpa do treinador Paulo Sousa de que tudo foi decidido em conjunto com os jogadores. A decisão deve ser sempre do técnico, que é pago – e sempre muito bem pago – para comandar. 

O FLAMENGO SAIU PERDENDO, com o gol do meia argentino Nacho Fernandez aos 42, após Hugo rebater o chute forte de Arana de fora da área, mas reagiu bem na volta do intervalo e virou em 8 minutos. Gabriel empatou aos 11, após Everson rebater a cabeçada de Bruno Henrique, que aos 19 fez o gol da virada, em contra-ataque rápido, tocando na saída do goleiro.

O ATLÉTICO VOLTOU ao jogo e mostrou mais condicionamento fisico, merecendo o empate aos 30, após cruzamento de Ademir, que o chileno Vargas ajeitou de cabeça para Hulk finalizar com uma bomba de pé direito no ângulo, depois de usar o joelho esquerdo para amortecer a bola. O 2 x 2 se ajustou bem à produção de Atlético e Flamengo nos 100 minutos, com 5 de acréscimos em cada tempo.

NOS 10 PRIMEIROS PÊNALTIS convertidos, quatro do Atlético foram de pé esquerdo: Hulk, Nacho, Ademir e Arana; o de Vargas, de pé direito. Dos cinco do Flamengo, só Gabriel, que bateu o 5º, foi de pé esquerdo; as cobranças convertidas de pé direito foram de Lázaro, Vitinho, Diego e David Luis. Hugo defendeu a cobrança de pé direito de Mariano, e Everson defendeu a de pé direito de Willian Arão.

O VOLANTE JAIR , dos melhores do jogo, fez 6 x 5, de pé direito, e o volante João Gomes, de pé direito, converteu o 6º do Flamengo. O goleiro Everson isolou a cobrança de pé direito e em seguida defendeu a de pé direito de Mateuzinho. Nathan Silva converteu de pé direito o 7º do Atlético e Léo Pereira, de pé esquerdo, empatou. As quatro cobranças seguintes não foram convertidas.

NA 10ª DO ATLÉTICO, Mariano bateu de pé direito e o goleiro Hugo defendeu. Fabrício Bruno teve outra chance de dar o título ao Flamengo, mas bateu mal de pé direito e isolou. O uruguaio Diego Godin isolou de pé direito, tal qual o goleiro Hugo, de pé direito, na 11ª cobrança do Flamengo. Hulk converteu de pé esquerdo a 8ª cobrança, e o goleiro Everson defendeu a 2ª de Vitinho de pé direito.

COM POUCAS DEFESAS, principalmente no 1º tempo, os goleiros tiveram bom desempenho. Everson defendeu três cobranças do Flamengo, não sem antes fazer muita catimba para tentar tirar a calma dos batedores, e Hugo defendeu duas cobranças. O goleiro do Flamengo não pode ser culpado pelo rebote no 1º gol, porque o chute de Arana foi forte, menos ainda no 2º, com a bomba de Hulk no ângulo.

CAMPEÕES DA SUPERCOPA – Everson, Mariano, Nathan Silva, Diego Godin e Guilherme Arana; Jair, Allan (Guga, 49 do 2º tempo) e Nacho Fernandez; Savarino (Ademir, 28 do 2º tempo), Hulk (cap) e Keno (Eduardo Vargas, 28 do 2º tempo). Técnico – Antonio Mohamed, de 51, argentino, ex-atacante,  com o 2º título na carreira, após a Copa Sul-Americana 2010 com o Independiente de Buenos Aires.

FLAMENGO, com três zagueiros: Hugo, Fabrício Bruno, David Luiz e Filipe Luis (Leo Pereira, 37 do 2º tempo); Rodinei (Mateuzinho, 37 do 2º tempo), João Gomes, Willian Arão, Arrascaeta (Vitinho, 37 do 2º tempo) e Everton Ribeiro (cap) (Lázaro, 18 do 2º tempo); Gabriel e Bruno Henrique (Diego, 27 do 2º tempo, passou a ser o capitão com a saída de Everton Ribeiro).

PELA SEGUNDA VEZ, o Flamengo deixou de comemorar o terceiro título consecutivo. Teve a chance de ser tricampeão brasileiro e ficou com menos 13 pontos que o Atlético. E deixou escapar a chance da terceira Supercopa do Brasil, o que mostra a queda de patamar da equipe, antes tão decantada. Os menos otimistas já não veem que o caminho do técnico Paulo Sousa possa ser tão longo.

FOI O SEXTO JOGO em que comandou o time, sem que se tenha observado evolução no rendimento. Paulo Sousa faz muitas mudanças, mas a equipe não evolui, e tem sido vulnerável na marcação, pouco criativa e sem explosão no ataque. Algumas atuações devem ser questionadas, como as de Filipe Luis, David Luiz e Willian Arão.

ANDERSON DARONCO, gaúcho da FIFA, teve boa arbitragem e foi correto na aplicação de seis cartões amarelos, em Nathan Silva, Mariano e Jair, do Atlético, e em Gabriel, por exibir cartaz dado por um torcedor na comemoração do gol, João Gomes e David Luiz. O jogador brasileiro continua reclamando muito de faltas claras e duras que comete. R$3.384.100,00.  32.028 pagantes.

Foto: Jacobina Notícias,TNT Sports, Lance!, Pedro Souza/Atlético, Diário do Fla