Com a terceira vitória consecutiva e sem sofrer gol, a Itália confirmou o primeiro lugar do Grupo F da Eurocopa 2020, ao vencer (1 x 0) o País de Gales, na tarde quente de ontem (20), diante de 11.500 torcedores no Estádio Olímpico de Roma, e o técnico Roberto Mancini, de 56 anos, igualou o recorde de 30 jogos sem derrota – 25 vitórias, 5 empates -, de Vittorio Pozzo – 1886 – 1968 -, único treinador a ganhar duas Copas do Mundo consecutivas, em 1934 e 1938.

BOM DIZER – Roberto Mancini, maior artilheiro da Sampdoria, com 173 gols, assumiu a seleção em setembro de 2018, e iniciou o trabalho de renovação para a Copa do Mundo de 2022, em que a Itália tentará se igualar ao Brasil com o quinto título. Bom lembrar: trabalho igual foi feito por Vittorio Pozzo, que dirigiu a seleção durante 19 anos – 63 vitórias em 95 jogos -, e entre as Copas de 1934 e 1938, ganhou também a medalha de ouro dos Jogos Olímpicos de 1936 em Berlim.

26 TITULARES – Já classificada, após 3 x 0 na Turquia e na Suíça, a Itália iniciou o jogo de ontem (20) com oito reservas, entre eles os laterais brasileiros naturalizados Toloi e Emerson. O técnico Mancini só manteve Chiesa, Belotti e Bernardeschi para não perder a força ofensiva, mas voltou a fazer questão de destacar depois do 1 x 0 sobre o País de Gales: “Só posso iniciar com 11, mas tenho 26 titulares, que considero em nível técnico e tático muito elevado”.

OITAVAS DE FINAL – A Itália abrirá o mata-mata das oitavas de final da Eurocopa no próximo sábado (26), no estádio de Wembley, nos arredores de Londres, com a seleção que ficar em segundo lugar no Grupo C, ainda em definição. A mais provável é a da Ucrânia. O País de Gales, que ficou em segundo no Grupo A, jogará no mesmo dia, na Arena Cruyff, em Amsterdam, provavelmente com a Rússia, a mais cotada para ganhar o segundo lugar do Grupo B.

91% DE PRECISÃO – Vinte e um anos depois, a Itália voltou a ganhar três jogos consecutivos, e nos mais recentes, a alcançar 91% de precisão nos 594 passes, na vitória sobre o País de Gales, além de ter tido 70% de posse de bola, mais que o dobro do adversário. Os jogadores reconhecem muita determinação no trabalho de Roberto Mancini, classificando o técnico como “um detalhista exigente, que tenta se aproximar da perfeição”.

1.055 MINUTOS – Além da invencibilidade de 30 jogos do técnico Mancini e da classificação na fase de grupos, com 100% de aproveitamento, 3 vitórias em 3 jogos, com 7 gols marcados e nenhum gol sofrido, a seleção italiana completou 11 jogos sem sofrer gol, 1.055 minutos. “Os méritos se concentram na atenção à marcação; na redução do espaço; nas antecipações em bolas cruzadas e em evitar faltas perto, e principalmente, na frente da área” – resume o zagueiro Leonardo Bonucci.

AUTOR DO GOL – Matteo Pessina, de 24 anos, 1,83m, meia-atacante que marcou o gol de ontem (20), iniciou no Monza,  que tem o nome da cidade onde nasceu, e depois jogou no Milan, Lecce, Catania e Como, antes de chegar ao Atalanta, seu sexto clube desde 2017. O desvio da falta cobrada pelo capitão Marco Verratti foi combinado com o lançamento do lado da barreira, enquanto a defesa esperava com certeza o chute direto ao gol.

BRASILEIROS – O meia Jorginho, catarinense de 29 anos, é o mais antigo na Itália, desde 2007, quando se formou na base do Verona. Jogou no Napoli de 2014 a 2018, quando saiu para o Chelsea, campeão da Liga dos Campeões. O lateral Toloi, mato-grossense de 30 anos, foi vendido em 2014 pelo São Paulo à Roma, que o revendeu em 2015 ao Atalanta, e o lateral-esquerdo Emerson, santista de 26 anos, saiu em 2016 para a Roma, que o vendeu em 2018 ao Chelsea.

EXPULSÃO – Certa a decisão do árbitro Ovidiu Hategan, médico romeno de 40 anos, ao expulsar o volante Ethan Ampadu, de 20 anos, que joga no Chelsea, pela falta maldosa na perna de Bernardeschi, aos 10 do segundo tempo, uma das 18 faltas de Gales. Dos três cartões amarelos, o único a italiano foi o de Matteo Pessina, na seleção principal desde 2020, após se destacar nas categorias sub-19, 20, 21.