Escolha uma Página

COM A VITÓRIA por 2 x 0 sobre a Itália, a Suíça não só igualou sua melhor participação na Eurocopa, mas também provocou a terceira eliminação consecutiva do campeão, como aconteceu com a Espanha em 2016 e com Portugal em 2020.

SE PASSAR pelo vencedor de amanhã (30), Inglaterra x Eslováquia, a Suíça conseguirá a melhor classificação de sua história em 9 Eurocopas e em 10 Copas do Mundo, e já não pode ser considerada apenas como uma surpresa.

A ITÁLIA, campeã da Eurocopa de 2020, quando venceu a Inglaterra (1 x 1, 3 x 2 nos pênaltis), fez neste sábado (29), diante de 81 mil torcedores no Estádio Olímpico de Berlim, uma exibição apática e sem alma, muito abaixo de sua tradição.

A SUÍÇA FEZ 1 x 0 aos 37 minutos, com Remo Frueler, meia de 32 anos do Bologna, 5º entre os 20 do Campeonato Italiano 2023-24, completando de pé esquerdo, no canto direito de Donnarumma, o cruzamento do ponta-esquerda Ruben Vargas.

NO 1º MINUTO após o intervalo, Ruben Vargas marcou de pé direito, com efeito, no ângulo esquerdo. Ele é do Augsburg, 11º dos 18 do Campeonato Alemão 2023-24, em que se tornou o primeiro participante de ascendência dominicana.

A ITÁLIA não melhorou, com as cinco substituições do técnico Luciano Spalleti, e foi eliminada: Donnaruma, Di Lorenzo, Mancini, Bastoni e Darmian (Cambiasso); Cristante (Pellegrini), Barella (Retegui) e Fagioli (Frattesi); Chiesa, Scamacca e El Shaarawy (Zaccagni).

COM 5 PONTOS na fase de grupos, a Suíça venceu dois jogos pela primeira vez, depois de 3 x 1 na Hungria, e 1 x 1 com Escócia e Alemanha, sendo uma das quatro invictas da Eurocopa 2024, junto com Alemanha, Espanha e Inglaterra.

BOM LEMBRAR: a Espanha, única bicampeã (2008-2012), foi eliminada nas oitavas de final de 2016 pela Itália (2 x 0). Portugal, campeão pela única vez em 2016, foi eliminado em 2020 pela Bélgica (1 x 0), e a Itália, campeã em 2020, eliminada neste sábado (29) pela Suíça (2 x 0).

BOA ATUAÇÃO do árbitro polonês Szymon Marciniaki, que usou o cartão amarelo para três advertências: Barella, por falta em Rieder aos 34, e El Shaarawy, por falta em Xhaka, aos 43 do 1º tempo, e Mancini, por falta em Rieder, aos 12 do 2º tempo. 24 faltas, 9 da Suíça.

Foto: UEFA / Eurocopa e Reprodução