Não há registro recente igual ao do que aconteceu neste domingo (15), no Emirates Stadium, no Norte de Londres, onde o Arsenal perdeu (3 x 0) para o Manchester City. Decepcionados, os 63 mil torcedores foram saindo aos poucos, na metade do segundo tempo. No apito final do árbitro, o estádio estava praticamente vazio.

MASSACRE – O City, do técnico espanhol Guardiola, massacrou o Arsenal, com atuação soberba do volante belga Kevin De Bruyne, que fez 1 x 0 logo aos 2 minutos e deu assistência para Sterling marcar o segundo aos 15. Aos 40, em gol bem parecido ao que fez no Brasil, na Copa de 2018, De Bruyne acertou, de fora da área, o cantinho direito.

MESSI – Em sua edição digital, o tabloide londrino The Sun (O Sol) exaltou a atuação do volante belga: “De Bruyne fez uma exibição que ficou perto da perfeição e que poderia levar a assinatura de MessiOutro muito elogiado foi o meia inglês Phil Foden, de 19 anos: “Guardiola teve que se render aos apelos dos torcedores e escalar Phil Foden, que já não é mais só uma promessa.

LIVERPOOL – Após 17 rodadas, o Liverpool mantém 10 pontos de vantagem sobre o vice-lider Leicester (49 a 39), que o receberá dia 26, no boxing day, no King Power Stadium. O Liverpool está no Qatar para o Mundial de clubes e jogará a semifinal com o Monterrey, do México, quarta (18). O Manchester City, terceiro, tem 35 pontos.

CASO SÉRIO – A televisão estatal chinesa deixou de transmitir Arsenal x City porque o meia Ozil, de 31 anos, nascido em Gelsenkirchen, Alemanha, mas de ascendência turca, ganhou apoio de seus 20 milhões de seguidores, no twitter e no instagram, por publicar decisões violentas do governo chinês contra muçulmanos. Ozil joga no Arsenal desde 2013.

Foto: Daily Express