A eliminação do Barcelona, derrotado (3 x 2) em jogo emocionante de duas viradas pelo Atlético de Madrid, na noite de ontem (9), no estádio Rei Abdullah, em Jeddah, causou tristeza nos torcedores da Arábia Saudita, que esperavam ver domingo (12) Real Madrid x Barcelona, o maior clássico do mundo, na decisão da Supercopa da Espanha.

22 JOGOS DEPOIS – A vitória tirou um peso das costas do ex-meia argentino Diego Simeone, de 49 anos, que finalmente conseguiu ganhar do Barcelona, como técnico do Atlético de Madrid, que dirige desde 2011. Foram 16 jogos do campeonato, 4 da Copa do Rei e 2 da Supercopa, até obter a primeira vitória depois de 22 jogos.

19 SEGUNDOS – Os cinco gols no segundo tempo e o primeiro logo aos 19 segundos, marcado pelo volante madrilenho Koke, de 28 anos. O Barcelona reagiu logo e Messi empatou aos 6 e o francês Griezmann fez o da primeira virada aos 17. O Barcelona teve dois gols anulados, de Messi (toque) e Piqué, por impedimento de Vidal.

SEIS MINUTOS – O jogo parecia sob controle do Barcelona, mas em seis minutos o Atlético fez a segunda virada e garantiu a vaga na final com o Real, no derbi de Madrid. O madrilenho Alvaro Morata, de 27 anos, empatou (2 x 2) aos 36, e aos 42 o argentino Angel Correa, de 24 anos, marcou o da vitória.

SEGUNDA VEZ – Real e Atlético decidirão pela segunda vez a Supercopa da Espanha, que começou a ser disputada em 1982, quando a Espanha também sediou pela primeira vez a Copa do Mundo. A única final entre Atlético e Real, no formato antigo de ida e volta, foi em 2014: 1 x 1 e Atlético 2 x 1. O Barcelona é o maior ganhador da Supercopa com 13 títulos.

10 VEZES REAL – Depois do Barcelona, o Real Madrid é o segundo maior ganhador da Supercopa com 10 títulos, o último em 2017. Antes de 2014, o Atlético só ganhou a Supercopa em 1985, quando decidiu com o Barcelona. Após ganhar o jogo de ida (3 x 1), perdeu o de volta (1 x 0).

50 MILHÕES – Real Madrid e Atlético de Madrid ganharão 12 milhões de euros, o equivalente a R$50 milhões, cada, pela participação na final da Supercopa da Espanha, depois de amanhã (12). Fora da final, o Valencia – derrotado pelo Real Madrid – e o Barcelona, que perdeu do Atlético de Madrid – vão receber 9 milhões de euros, cada.

MAIS DE 200 MILHÕES – De acordo com uma fonte madrilenha, a Real Federação Espanhola de Futebol, que negociou os três jogos com a Federação de Futebol da Arábia Saudita, receberá 50 milhões de euros, em torno de R$200 milhões, pela organização dos três jogos, incluído o pagamento dos árbitros, todos espanhóis e da FIFA.

58.410 TORCEDORES assistiram Atlético de Madrid 3 x 2 Barcelona, mais 17.533 que os 40.877 que viram na véspera Real Madrid 3 x 1 Valencia. O árbitro José Luis Gonzalez marcou 32 faltas (18 do Barcelona) e aplicou quatro cartões amarelos em jogadores de cada time. O Barcelona acertou mais passes (622) que o Atlético de Madrid (205).

TRÊS BRASILEIROS – No Atlético de Madrid, o zagueiro Felipe, ex-Corinthians, e o lateral-esquerdo Renan Lodi, ex-Athletico Paranaense, ambos paulistas, e no Barcelona o goleiro Neto, mineiro de Araxá, na Europa desde 2011. Neto, pelo pênalti em Vitolo, que substituiu Renan Lodi, e Felipe, por falta em Suárez, foram advertidos com cartão amarelo. 

Foto: Esporte Interativo