O mineiro Enderson Moreira, de 49 anos, será apresentado hoje (21) como técnico do Botafogo, que não poderá contratar outro, caso o demita antes do final do ano, de acordo com a decisão da CBF, que limitou os clubes a duas contratações durante o Campeonato Brasileiro das Séries A e B. Ele dirigirá dois treinos, antes de estrear no jogo de sábado (24) com o Confiança, antepenúltimo colocado, na Arena Batistão, em Aracaju, capital do estado de Sergipe.

ENDERSON MOREIRA assume um dia depois de o Botafogo ter sofrido a quinta derrota – 2 x 0 para o Goiás -, primeira em cinco jogos em casa -, que o fez cair para o décimo quarto lugar, com 13 pontos dos 36 disputados, quatro empates, três vitórias e saldo negativo de dois gols (16 a 18). O Botafogo tem só mais dois pontos que o Cruzeiro (13 a 11), que voltou ao rebaixamento ao perder (1 x 0) para o Remo, na noite de ontem (20), no estádio Baenão, em Belém. 

O ADVERSÁRIO – Décimo oitavo com 10 pontos dos 39 disputados em 13 jogos – 2 vitórias, 4 empates, 7 derrotas -, o Confiança só ganhou em casa do Cruzeiro por 3 x 1 na primeira rodada e do Vila Nova por 1 x 0 na sexta rodada. Com sete derrotas, é o que mais perdeu; o que tem a defesa mais vazada, com 19 gols; o pior saldo negativo de gols (11 a 19), e o terceiro ataque com menos gols (11). Nos últimos sete jogos, não fez gol em quatro, empatou três e perdeu quatro.

CREDENCIAIS – Em toda a carreira de técnico, Enderson Moreira só ganhou seis títulos: o da Copa São Paulo sub-23, em 2007, com o Cruzeiro; os campeonatos goianos de 2012, 2013 e 2016, e a Série B de 2012, com o Goiás, e a Série B de 2017 com o América Mineiro. O Botafogo é seu segundo time no Rio. No Fluminense, demitido três vezes: em 2011, após 13 jogos; em 2015, após 8 jogos em março; voltou em maio e foi demitido em setembro, depois da goleada (4 x 1) do Palmeiras, em que completou sete jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro. 

POUCO TEMPO – Enderson Moreira passou também pouco tempo à frente de outras equipes. Em dezembro de 2013 acertou com o Grêmio para 2014, em substituição a Renato Gaúcho, mas só ficou seis meses, mesmo tempo em que permaneceu no Santos, em 2014, por não ter os reforços que pediu e não receber os direitos de imagem. Em 2017, não livrou o América Mineiro do rebaixamento, e saiu em julho para o Bahia, que o demitiu após a eliminação da Copa do Brasil. 

SAÍDAS CURTAS – Em 2019, Enderson Moreira acertou em abril com o Ceará, após a saída de Lisca, e foi demitido em outubro, após oito jogos sem vitória. Depois voltou ao Ceará, sem conseguir bons resultados, e retornou ao Cruzeiro, que o demitiu depois de seis jogos sem vencer. Em seguida, foi demitido do Goiás, 10 jogos sem vencer. Estava sem clube há quase quatro meses, depois de demitido em abril pelo Fortaleza, após a eliminação da Copa do Nordeste.

ENDERSON MOREIRA sofreu infarto no início de maio de 2021, em sua fazenda, em Sete Lagoas, a 70 km de Belo Horizonte, dias depois de ser demitido do Fortaleza. Internado às pressas e submetido ao cateterismo, devido a duas lesões do coração, teve recuperação rápida e recebeu alta do hospital do município em poucos dias, após os bons resultados dos exames. 

COINCIDÊNCIA – Em sua volta ao comando de uma equipe, Enderson Moreira sucederá a Marcelo Chamusca, baiano de 54 anos, a quem substituiu no Fortaleza. Bom dizer: em seus últimos 33 jogos, o novo técnico do Botafogo só ganhou 12, dirigindo o Fortaleza e o Goiás, que deixou na última colocação do Campeonato Brasileiro. Ao aceitar o convite, o técnico não pensou em valores, mas em voltar bem ao cenário, reconduzindo em 2022 à Série A o clube mais importante nas três primeiras Copas do Mundo que o Brasil ganhou.

Foto: Fogaonet