O Vasco terá depois de amanhã (5) uma noite histórica em São Januário, onde jogará pela primeira vez com o Oriente Petrolero, na abertura da Copa Sul-Americana 2020, em que só o campeão garante vaga na Libertadores do ano seguinte. Será o décimo terceiro jogo com times da Bolívia e o retrospecto do Vasco é favorável: 7 vitórias, 2 empates, 3 derrotas. O jogo de volta será dia 19, em Santa Cruz de la Sierra, sem problema de altitude.

VASCO 8 x 3 – Foi em um dos jogos com times da Bolívia, há quase nove anos, que o Vasco obteve sua vitória internacional mais expressiva, ao golear (8 x 3) o Aurora, da cidade de Cochabamba, na noite da quarta-feira, 26 de outubro de 2011, em São Januário, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. O técnico era o baiano Cristóvão Borges, que levou o time às semifinais e também ao vice-campeonato brasileiro, que o Corinthians ganhou pela quinta vez.

DESTAQUES – Naquela noite dos 8 x 3, os destaques foram Alecsandro e Bernardo, com dois gols, e o Vasco já saiu  para o intervalo com 3 x 1, placar da derrota no jogo de ida, na altitude de Cochabamba, que obrigava o time a vencer por 2 x 0 ou por três gols de diferença. Foi o que aconteceu quando Leandro, Douglas, Allan e Juninho Pernambucano, de falta, marcaram os outros. Os dois últimos gols bolivianos foram próximos dos minutos finais.

BOM LEMBRAR – Fernando Prass, Fagner, Renato Silva, Douglas e Julinho; Nilton, Felipe Bastos, Bernardo e Juninho Pernambucano; Leandro (Allan) e Alecsandro – o time dos 8 x 3, a mais expressiva vitória do Vasco em jogo internacional, desde sua fundação, em 21 de agosto de 1898. E bom também lembrar: o Vasco era líder do Campeonato Brasileiro de 2011, com 57 pontos, e jogaria no domingo seguinte (30), em São Januário, com o São Paulo.

ORIENTE PETROLERO, adversário de quarta (5), em São Januário, é dirigido pelo ex-meia Pablo Vitamina Sanchez, de 46 anos, argentino da cidade de Rosário, onde também nasceu Messi. Quarto colocado do campeonato com 14 equipes, o Oriente Petroleroganhou (2 x 1) do Aurora, no jogo de ontem (2), no estádio Ramon Tahuichi Aguilera – 35 mil lugares -, em Santa Cruz de la Sierra, onde fará o jogo de volta com o Vasco, dia 19. Sem altitude.

UMA NOVIDADE – O time boliviano terá uma novidade no jogo com o Vasco, o atacante mexicano Marco Bueno, de 25 anos, campeão mundial sub-17 em 2017. Ele é um dos onze contratados em 2019 e estava no HJK, de Helsínque, time mais vezes (29) campeão da Finlândia e único do país a disputar a Champions League. É um jogador veloz e criativo, bom driblador e finalizador, na opinião do meu amigo Juha Tamminen, repórter-fotográfico mais premiado da Finlândia.

ÁRBITRO NEGRO – Vasco x Oriente Petrolero será o segundo jogo internacional que o árbitro negro Augusto Aragon, de 34 anos, professor de Educação Física, vai apitar, depois de Guarani do Paraguai 1 x 0 San José da Bolívia. Ele já foi alvo de racismo, mas sempre soube se impor. Nasceu e vive em Esmeraldas, cidade portuária da costa noroeste equatoriana, e maior exportadora de camarão e banana do país. Sua ascensão na arbitragem é considerada como um meteoro: ele já está entre os pré-selecionados para a Copa do Mundo de 2022 no Catar.