O novo e ampliado Mundial de clubes da FIFA, com a participação de 24 equipes e anunciado para 2021 na China, pode ficar para 2022 ou 2023, segundo informou na noite de ontem (17) o presidente Gianni Infantino, que na próxima segunda-feira (23) vai comemorar 50 anos. O Flamengo tinha a vaga certa como campeão de 2019 da Libertadores, mas pode perder a garantia e ter que disputar um torneio com todos os campeões sul-americanos.

PROPOSTA – A FIFA havia concordado com a proposta apresentada pelo paraguaio Alejandro Dominguez, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, mas o suíço Gianni Infantino, presidente da FIFA, resolveu dar uma guinada. Não só o Flamengo, mas também o campeão da Libertadores 2020, e os campeões de 2019 e 2020 da Copa Sul-Americana, estariam com a participação garantida entre os 24 do novo e ampliado Mundial de clubes.

TORNEIO – O presidente da FIFA disse que as duas vagas terão que ser decididas em torneio, entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, com a participação de todos os campeões da história da Libertadores, desde 1960, quando o Peñarol, do Uruguai, ganhou o primeiro título. Sem a certeza de quando o novo e ampliado Mundial com 24 clubes será disputado, a vaga do Flamengo fica ameaçada. O presidente da FIFA só deu a garantia de que o Mundial será na China, mas não confirmou quando.

LIBERTADORES – O presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, em pronunciamento na noite de ontem (17), em Assunção, onde vive, disse que “a Libertadores pode ser reiniciada em maio, dentro da previsão mais otimista. Tudo depende da situação de cada país”. Alejandro Dominguez fez questão de ressaltar: “O problema do coronavírus é muito grave e cada país tem uma realidade diferente. Por isso, aguardamos com otimismo”.