Em sua atuação mais decepcionante, das dez com o mando de campo no Brasileiro de 2020, o Vasco beirou o ridículo ao ser goleado (4 x 1) na noite de ontem (30) pelo Ceará, que conseguiu a primeira vitória da história da Série A em São Januário, e voltou ao rebaixamento, terminando a vigésima terceira rodada em décimo sétimo lugar. O Vasco faz o pior desempenho dos últimos cinco anos, nos jogos em casa, abaixo até mesmo dos anos de 2009, 2014 e 2016 quando disputou a Série B.

VERGONHA NA CARA – O volante Andrey, dos que mais sentiram a goleada, que poderia ter sido até mais ampla pela péssima atuação do time, resumiu bem, logo após o jogo: “Temos que ter vergonha na cara. Estamos envergonhando o nome do Vasco”. Nas redes sociais, os torcedores revoltados com a queda do time, não só elogiaram a atitude de Andrey, mas também cobraram postura mais firme da diretoria, que se mostra impassível a cada derrota.

36 DIAS DEPOIS – O Ceará havia ganhado o último jogo dia 24 de outubro, na Arena Castelão, 2 x 1 de virada sobre o Coritiba, na décima oitava rodada. Depois, empatou com o Botafogo (2 x 2), Sport (0 x 0) Atlético Mineiro (2 x 2) e perdeu do Grêmio (4 x 2), até os 4 x 1 sobre o Vasco, definidos desde os 4 minutos, quando Pedro Naressi aproveitou a falha de Carlinhos e fez 1 x 0, e aos 26, Leo Chu driblou Leo Matos e cruzou para Cleber fazer 2 x 0.

TRÊS ZAGUEIROS – Na volta do intervalo o Vasco desfez o esquema com três zagueiros, com o atacante Tiago Reis no lugar de Ricardo, mas o muito que conseguiu foi o gol de Ribamar, cobrando pênalti que sofreu de Luis Otávio aos 20. O Ceará ampliou a vantagem em 10 minutos, com os gols de Saulo, aos 34, com chute rasteiro e bem colocado, e de Vinícius, aos 44, convertendo o pênalti de Miranda em Saulo. Desde agosto, o Ceará não havia conseguido marcar quatro gols.

VASCO – Lucão, Miranda, Castan e Ricardo (Tiago Reis); Leo Matos (Caio Tenório), Andrey, Leo Gil (Benitez), Carlinhos (Juninho) e Neto Borges; Gustavo Torres e Ribamar (Catatau) – time dirigido por Alexandre Grasseli, auxiliar técnico permanente, porque o técnico Sá Pinto e seu assistente Rui Mota contraíram a Covid-19. O Vasco é décimo sétimo com 24 pontos em 22 jogos – 6 vitórias, 6 empates, 10 derrotas, saldo negativo de 7 gols (24 a 31) – e joga domingo (6), em Porto Alegre, com o Grêmio.

SUL-AMERICANA – O argentino German Cano, artilheiro do time, ainda não voltará no jogo de quinta (3), em São Januário, com o Defensa y Justicia, valendo vaga na próxima fase da Copa Sul-Americana. Como o primeiro jogo na Argentina foi 1 x 1, o Vasco se classifica com vitória ou empate em 1 x 1, pelo gol marcado fora de casa. Mas o empate em 2 x 2 ou mais gols dá a vaga ao Defensa y Justicia.

CEARÁ – Richard, Samuel Xavier, Luis Otávio, Klaus e Bruno Pacheco (Alyson); Fabinho, Pedro Naressi, Vinícius (Wescley) e Lima (Leandro Carvalho); Cleber (Saulo Mineiro) e Leo Chu (Kelvin). Técnico – Guto Ferreira. O Ceará deu boa subida e terminou a rodada em décimo lugar com 29 pontos em 23 jogos – 7 vitórias, 8 empates, 8 derrotas, e até reduziu o saldo devedor de gols para 2 (32 a 34). O próximo jogo também será como visitante, sábado (5), na Arena Fonte Nova, com o Bahia.

OUTRO 4 x 1 – Poucos se lembram, mas o último 4 x 1 do Ceará sobre o Vasco havia sido há 43 anos, no amistoso da noite de terça-feira, 11 de outubro de 1977, na Arena Castelão, em Fortaleza, com os gols de Hamilton Melo (2), Ivanir e Dodô, e Paulinho, o gol do Vasco. O Ceará era treinado pelo ex-zagueiro Nagel, do Botafogo, e o time do Vasco teve Mazaropi, Fernando, Gaúcho, Geraldo e Marco Antonio; Helinho, Zanata (Zandonaide) e Guina; Paulo Roberto, Roberto Dinamite (Luis Augusto) e Paulinho. Técnico – Murilo de Carvalho. 

Foto: Divulgação