Com outra atuação ruim, o Vasco amargou a nona derrota, quinta como visitante, primeira por três gols, ao perder para o Avaí por 3 x 1, na noite de ontem (6), no estádio da Ressacada, em Florianópolis.  Em seu décimo jogo, o técnico Lisca tem mais derrotas (5) do que vitórias (4), e bateu um recorde no Campeonato Brasileiro da Série B de 2021, ao ser o primeiro, entre jogadores e técnicos, advertido com cartão amarelo, aos 4 minutos do primeiro tempo, por reclamação.

IRREGULAR – O Vasco faz campanha irregular, sem força para entrar no G4, após 23 rodadas. Depois de perder os dois últimos jogos do turno – 2 x 1 para Remo e Londrina – e de iniciar o returno perdendo (2 x 0) para o Operário, venceu (2 a 0) a Ponte Preta, mas teve outra recaída, ao empatar (1 x 1) com o Brasil, penúltimo, e ao voltar a perder (3 x 1) para o Avaí. O cenário nebuloso pode piorar na próxima rodada, em outro jogo fora de casa com o vice-líder CRB, em Maceió.

LANCE CÔMICO – O Vasco oscila no meio da classificação, pouco acima ou pouco abaixo do décimo lugar, o que mostra a insegurança da equipe, como no lance cômico, quase no final do primeiro tempo, em que o meia Andrey e o atacante Morato ficaram indecisos na cobrança de uma falta. A tensão do técnico se reflete em campo: os quatro cartões amarelos foram para o Vasco, aplicados em Lisca, Leandro Castan, Miranda e Daniel Amorim, fora do próximo jogo.

10 JOGOS SEM GOL – Inaceitável que o argentino German Cano, uma das principais referências da equipe, tenha completado 10 jogos, ou 895 minutos sem gol, nem mesmo de pênalti. É o período mais longo, em seus 87 jogos, desde que estreou com a camisa do Vasco, em janeiro de 2020. Entretanto, não se possa deixar de reconhecer o mérito de jogar para a equipe, como no lance do gol de empate do paulista Morato, a quem deu boa assistência. 

OS QUATRO GOLS – O Avaí fez 1 x 0, gol do atacante alagoano Getúlio, de 24 anos, emprestado pelo Paços de Ferreira, após belo lançamento do meia colombiano Copete, emprestado pelo Santos, que driblou Zeca em arrancada de alta velocidade, aos 12 minutos. O paulista Morato, de 29 anos, emprestado pelo Bragantino, empatou aos 30, com boa assistência de Cano. 

NA VOLTA DO INTERVALO, logo aos 2 minutos, o volante mineiro Bruno Silva fez 2 x 1, com passe de cabeça de Getúlio. O Vasco deixou de empatar com Leo Jabá, e aos 37, o atacante gaúcho Jonathan, de 22 anos, aproveitou a volta da bola, em chute de Copete na trave, igualando-se a Getúlio como artilheiro do time na Série B com seis gols. Com a décima vitória, sexta em casa, primeira em que fez três gols, o Avaí subiu três posições e está em quinto com 37 pontos.

VANDERLEI, Leo Matos, Miranda, Castan e Zeca; Andrey (Caio Lopes), Rômulo (Daniel Amorim) e Marquinhos Gabriel (Galarza); Leo Jabá (Gabriel Pec), Cano e Morato (Figueiredo) – o Vasco, nono com 34 pontos – 9 vitórias, 9 derrotas, 5 empates, sem saldo de gol (27 a 27) -, que pode cair para décimo, se o Operário, com 32 pontos, vencer o Sampaio Corrêa, sábado (11), em São Luis do Maranhão. O Vasco só volta a jogar dia 16 com o CRB, em Maceió.

RETROSPECTO – Em jogos oficiais, o Vasco jamais venceu o Avaí, que ganhou cinco dos seis, incluídos os três últimos em Florianópolis. Bom lembrar: o Avaí honrou o Vasco com o convite para inaugurar o estádio Aderbal Ramos da Silva, que anos depois passaria a ser tratado só por estádio da Ressacada, no feriado nacional da terça-feira, 15 de novembro de 1983. A festa atraiu a lotação máxima de 23.124 torcedores, que saíram decepcionados com a goleada: Vasco 6 x 1.

CASO DE DOPING – A convite de Mariano Zavala, da Comissão Disciplinar da Confederação Sul-Americana de Futebol, o zagueiro Miranda participa na tarde de hoje (7) de videoconferência, depois do resultado positivo do exame de doping, por ter ingerido o diurético Canrenona, dia antes de Vasco 0 x 1 Defensa y Justicia, dia 3 de dezembro de 2020, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. O jogador reafirmará que não fez uso do medicamento.

CASO DO VAR – Vídeo e áudio de Vasco 1 x 1 Brasil de Pelotas foram analisados ontem (6) pelos representantes do Vasco, recebidos na CBF pelo gaúcho Leonardo Gaciba, ex-árbitro e presidente da Comissão Nacional de Arbitragem. Eles questionaram o uso da tecnologia, só implantada no returno da Série B, e perguntaram por que transformar os clubes e os torcedores em cobaias. O Vasco não desiste da exclusão do VAR nem da anulação do jogo, que não vai conseguir.

Foto: Vasco Notícias