O Velez venceu a LDU por 3 x 1 na noite de ontem (13), no estádio José Amalfitani, em Buenos Aires, e é o novo vice-líder do Grupo G com 6 pontos, liderado pelo Flamengo com 10, com a vantagem dos jogos finais no Maracanã, com a LDU, na próxima terça (18), e com o Velez, a quem venceu (3 x 2, de virada) no jogo de abertura na Argentina. O Flamengo é favorito ao primeiro lugar, o que lhe pode dar a vantagem de jogar com uma equipe tecnicamente mais fraca no mata-mata das oitavas de final.

SEM SUSTO – O Velez ganhou sem susto da LDU. O gol do primeiro tempo foi do meia Thiago Almada, de 20 anos, que já está no radar de clubes europeus: a primeira proposta, de 20 milhões de euros, do Manchester City, foi recusada. No segundo tempo, o atacante Lucas Janson fez 2 x 0 aos 24, e o meia uruguaio Matias Zunino, aos 33, marcou o gol da LDU. Nos acréscimos, aos 48, o meia Mancuso, ex-Flamengo, fechou o placar em 3 x 1 River, do técnico argentino Maurício Pellegrino, de 49 anos.

DEVOLUÇÃO – O Velez devolveu à LDU os 3 x 1 do jogo de ida, na altitude de Quito, onde perdeu na segunda rodada. O placar de 3 x 1 foi registrado em 4 dos 64 jogos da Libertadores 2021, cuja final foi confirmada para 20 de novembro, no histórico estádio Centenário de Montevidéu, onde no domingo, 30 de julho de 1930, o Uruguai ganhou (4 x 2) da Argentina, na decisão da primeira Copa do Mundo. Também a final da Libertadores 2022 já tem sede definida: Estádio Monumental de Guaiaquil.

TOMA LÁ DÁ CÁ – O futebol está inserido na troca de interesses do mundo dos negócios. Estava quase tudo certo para a final da Libertadores 2021 ser na Argentina, mas o governo do Uruguai ofereceu 50 mil doses de vacina à Confederação Sul-Americana de Futebol, garantindo a presença de torcedores. E mais: o presidente da República Oriental do Uruguai, Luis Alberto Lacalle Pou, de 47 anos, do Partido Blanco, de centro-direita, investirá 2 milhões de dólares na reforma do estádio Centenário.

MAIS GOLS – Concluída na noite de ontem (13), a quarta rodada da fase de 8 grupos, com 32 times, foi a que menos gols teve: 33, depois de 41 na primeira; 54 na segunda e 40 na terceira. Em quatro rodadas, 64 jogos, 168 gols, média de 2.62 gols por jogo. O Flamengo tem o ataque mais positivo (12), com mais 1 gol que Palmeiras e Internacional (11), mas a defesa sofreu 7 gols e a do Palmeiras, 2. As melhores são as do São Paulo e do Argentinos Juniores, com 1 gol sofrido em 4 jogos.

TENDÊNCIA – Com três vitórias e um empate, por culpa de erros da defesa, o Flamengo deve ser o primeiro do Grupo G, com a vantagem dos dois jogos finais no Maracanã, e a tendência é que o Velez fique com a segunda vaga, e a LDU com a terceira, que garante participação na Sul-Americana, cuja final também será em Montevidéu, no acerto da Conmebol com o Uruguai. Quanto ao último do grupo, não há surpresa que seja o chileno La Calera, único sem vitória, devido ao seu baixo nível técnico.

GOLEADAS – A maior goleada dos 64 jogos das quatro primeiras rodadas foi a de 6 x 1 do Internacional no Olímpia, do Paraguai. O Palmeiras, único 100%, fez 5 x 0 no Independiente del Valle, do Equador, mesmo placar que o Santos impôs ao boliviano The Strongest, também goleado pelo Barcelona, do Equador. O Atlético Mineiro também fez 4 x 0 no Cerro Porteño, do Paraguai, e o Flamengo, 4 x 1 no La Calera. Bom lembrar: todas as goleadas foram em jogos em casa.

DOIS PLACARES – 2 x 0 e 2 x 1 foram os placares mais registrados, em oito jogos. 1 x 1  e 1 x 0, em sete jogos. 3 x 2 e 3 x 1, em quatro jogos. Apenas seis dos 64 jogos terminaram 0 x 0. Miguel Borja, do Junior de Barranquilla, e Gabriel, do Flamengo, dividem a artilharia com seis gols. Os vice-artilheiros, com cinco gols, Jarlan Barrera, do Nacional de Medellin, e Hulk, do Atlético Mineiro. As viradas mais empolgantes: Velez 2 x 3 Flamengo e Fluminense 2 x 1 Independiente Santa Fé.