Não poderia ter sido pior a estreia do Vasco no Brasileirão 2019. Com atuação decepcionante, o vice-campeão carioca deu vexame na Arena da Baixada, em Curitiba, onde o Atlético, campeão paranaense, dominou a maior parte do jogo e poderia ter saído com placar bem mais amplo que os 4 x 1. A única coisa que se salvou do Vasco foi o gol mais bonito, marcado pelo meia Bruno Cesar, de fora da área, com chute forte e colocado de canhota. No mais, um Vasco altamente decepcionante.

TRÊS ZAGUEIROS – O Vasco iniciou com excesso de cautela, dando espaço ao Atlético e blindando os três zagueiros – Werley, Miranda e Ricardo – com a marcação de quatro no meio do campo. Nem isso foi suficiente para impedir que o Atlético tocasse a bola e encontrasse espaços para penetrar, até chegar aos 2 x 0. O meia carioca Bruno Guimarães aproveitou a falha na pequena área e abriu o placar logo no primeiro minuto. O meia argentino Marco Ruben fez o segundo gol aos 44, também na pequena área, em outra falha dos zagueiros.

ERROS DO TÉCNICO – O técnico interino do Vasco desfez o esquema com três zagueiros, ao substituir Miranda por Bruno Cesar, aos 23 do segundo tempo, entrada bastante tardia do único jogador lúcido do time. Marcos Valadares também demorou para tirar Pikachu e Maxi Lopez, que saíram aos 13 do segundo tempo, sem nada render. Yan Sasse melhorou bem a organização do meio do campo, e Bruno Cesar foi o melhor do time, mesmo jogando menos tempo que os demais.

GOL CONTRA – O Atlético Paranaense usou bem os flancos para penetrar e soube girar a bola com inteligência, encontrando sempre espaços. O terceiro gol foi contra do zagueiro Werley, que fez o desvio da cabeçada de Rony na pequena área, depois que o goleiro Alexander estava batido no lance aos 20 minutos. Livre na pequena área, Nikão ampliou a goleada aos 41, e dois minutos depois, de fora da área, o belo gol de Bruno Cesar de fora da área.

SEM CONVICÇÃO – O árbitro paulista Luiz Flavio Oliveira acertou na marcação do pênalti de Pikachu em Renan Lodi, por trás, mas apontou para a marca da cal sem convicção. Depois de consultar o árbitro de video, não confirmou o pênalti. Ele só mostrou um cartão amarelo, aos 11 do segundo tempo, para o zagueiro Werley, do Vasco, por falta dura com um carrinho perigoso nas pernas do atacante Rony. R$237.105,00. 12.939 pagantes na Arena da Baixada, em Curitiba.

ATLÉTICO PARANAENSE – Santos, Jonathan, Tiago Heleno, Leo Pereira e Renan Lodi; Camacho (Wellington, 34 do primeiro tempo), Bruno Guimarães (Marcio Azevedo, 31 do segundo tempo), Tomás e Rony; Nikão e Marco Ruben (Marcelo Cirino, 24 do segundo tempo). Técnico – Tiago Nunes. O campeão paranaense de 2019 tenta voltar a ser campeão brasileiro depois de 18 temporadas. O único título que ganhou foi em 2001. O jogo de quarta (1) será com o Fortaleza, campeão cearense, no Castelão.

VASCO – Alexander, Caceres, Werley, Miranda (Bruno Cesar, 23 do segundo tempo), Ricardo e Danilo; Lucas, Pikachu (Yan Sasse, 13 do segundo tempo) e Raul; Marrony e Maxi Lopez (Ribamar, 13 do segundo tempo). Técnico interino – Marcos Valadares. Quatro vezes campeão brasileiro – 74, 89, 97 e 2000 -, o Vasco terá que melhorar muito para evitar novo vexame de rebaixamento. O grupo é fraco, sem chance alguma de título. Os dois próximos jogos serão em São Januário: quarta (1) com o Atlético Mineiro e domingo (5) com o Corinthians.

Foto: Geraldo Bubniak / LancePress