Mesmo com a derrota do São Paulo para o Bragantino, a virada do Fluminense abalou o Flamengo, como resumiu o meia Arrascaeta: “Assim não é possível ser campeão”. Bem superior no primeiro tempo, embora Arrascaeta só tenha feito o gol de cabeça aos 40 minutos, o Flamengo voltou mal do intervalo e sofreu o empate aos 9, com a cabeçada do zagueiro Lucas Claro, e levou a virada aos 48, com o gol do meia Yago Felipe, após falha do lateral Filipe Luis, que reapareceu mal após a suspensão.

OBJETIVO – Sem chance de ser campeão, o Fluminense deu mais um passo para alcançar o objetivo da vaga direta para a Libertadores de 2021, mantendo-se em sétimo com 43 pontos, após a décima segunda vitória, primeira desde que o técnico Odair Hellmann saiu. O time foi dirigido pelo ex-meia Ailton Ferraz, que fez o cruzamento para o gol de barriga de Renato Gaúcho, no título carioca de 95, ano do centenário do Flamengo, que investiu milhões e perdeu (3 x 2) o Fla-Flu decisivo.

FLUMINENSE – Marcos Felipe, Calegari, Mateus Ferraz, Lucas Claro e Danilo Barcelos; Yuri, Hudson (Martinelli), Yago Felipe e Michel (Caio Paulista); Wellington Silva (Lucca) e Fred (Felipe Cardoso). O técnico Ailton Ferraz e os jogadores dedicaram a virada ao treinador Marcão, que três dias antes do Fla-Flu testou positivo e está em isolamento. O Fluminense não estava sem vencer o Flamengo desde 2016, como noticiaram. A última vitória (1 x 0, gol de Nenê) foi em 29 de janeiro de 2020.

FLAMENGO – Hugo, Isla, Rodrigo Caio, Natan (Diego) e Filipe Luis; Arão, Gerson, Everton Ribeiro (Muniz) e Arrascaeta; Gabriel (Pedro) e Bruno Henrique. Depois do 0 x 0 com o Fortaleza, em que Pedro perdeu pênalti, o técnico Rogerio Ceni esperava pelo segundo jogo seguido sem sofrer gol, o que ainda não conseguiu em 11 jogos, com 4 vitórias e 4 empates. Por coincidência, as três derrotas foram para tricolores: 2 x 1 e 3 x 0 para o São Paulo, e para o Fluminense, que devolveu os 2 x 1 do turno. Se o Internacional, com 47 pontos, vencer hoje (6) o Ceará, o Flamengo, com 49, termina a rodada em quarto lugar.

MAIS PRESSÃO – Depois da eliminação na Copa do Brasil e na Libertadores, que pretendia, pela primeira vez, ganhar pelo segundo ano consecutivo, a previsão é de mais pressão sobre o técnico, que, em 11 jogos, ainda não fez o time realizar uma grande exibição nem apresentar rendimento satisfatório. E mais: o Flamengo perdeu a vantagem do jogo a menos porque está só um ponto (49 a 48) à frente do Grêmio, seu adversário, também com menos um jogo, dia 27 na Arena Grêmio.

INVICTO – Ao impor ao Bahia a sétima derrota consecutiva, na noite de ontem (6), em Porto Alegre, o Grêmio chegou aos 13 jogos de invencibilidade – 9 vitórias, 4 empates – no Campeonato Brasileiro, e aos 18 jogos sem perder – 13 vitórias, 5 empates -, na Arena Grêmio. O time só não termina a rodada em quarto lugar, se o arquirrival Internacional, com 47 pontos, perder para o Ceará, na noite desta quinta (7), na Arena Castelão, em Fortaleza.

ARTILHEIRO – Diego Souza, artilheiro do time com 22 gols na temporada, marcou o gol da vitória do Grêmio na noite de ontem (6), com chute forte da entrada da área aos 9 do segundo tempo, cinco minutos após o zagueiro Anderson empatar, também de fora da área. O atacante mato-grossense Vanderson, de 19 anos, natural de Rondonópolis, fez o primeiro gol como profissional, no segundo jogo pelo Grêmio, ao completar de cabeça o cruzamento do lateral Diogo Barbosa aos 16 do primeiro tempo.

DEUSES DO FUTEBOL AJUDAM O SÃO PAULO

Em uma noite em que tudo poderia terminar mal, os deuses do futebol ajudaram o São Paulo a se manter na liderança, sem nenhum arranhão, depois de perder (4 x 2) para o Bragantino, no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, onde o time do técnico Maurício Barbieri já saiu para o intervalo com a vantagem de 4 x 1, gols de Claudinho, Raul, Fabrício e Artur, e Tchê Tchê para o São Paulo, que fez o segundo gol com o atacante uruguaio Gonzalo Carneiro.

EXPULSÃO – O meia Tchê Tchê, do São Paulo, não disputará o clássico de domingo (10) com o Santos, no Morumbi, por ter sido expulso aos 15 do segundo tempo, após uma cotovelada no meia argentino Tomás Cuello, emprestado ao Bragantino pelo Atlético Tucuman. Pouco antes de terminar o primeiro tempo, houve discussão áspera de Tchê Tchê com o técnico Fernando Diniz, que chamou o jogador de “ingrato e mascaradinho”. Desde 2017 o São Paulo não sofria 4 gols em um jogo no Brasileiro.

SEM MUDANÇA – Com as derrotas do Flamengo e do São Paulo, não houve mudança nas três primeiras posições. O líder São Paulo tem 56 pontos em 27 jogos – 16 vitórias e saldo de 23 gols -, o vice-líder Atlético Mineiro tem 49 pontos – 15 vitórias e saldo de 12 gols -, e o Flamengo, terceiro colocado, tem 49 pontos, com 14 vitórias e saldo de 10 gols, mas pode cair para o quarto lugar, se o Internacional, com 47 pontos e 13 vitórias, vencer o Ceará, na noite de hoje (6), em Fortaleza.

Foto: Coluna do Fla