Foi de virada (3 x 1) a décima nona vitória do Barcelona, que manteve a liderança com sete pontos à frente (63 x 56) do vice-lider Atlético de Madrid, ao derrotar o Rayo Vallecano, penúltimo colocado, neste sábado (9), diante de 74.158 torcedores no Camp Nou. O capitão Lionel Messi – artilheiro do campeonato – estabeleceu nova marca, tornando-se o jogador com mais gols (26) e assistências (12), entre todos dos cinco principais campeonatos europeus: Espanha, Itália, Alemanha, Inglaterra e França.

OUTRA MARCA – O argentino Messi é também, desde este sábado (9), o segundo com mais atuações na história do Campeonato Espanhol, com 443 jogos, superado apenas pelo espanhol Xavi Hernandez, com 769 jogos pelo Barcelona, entre 1998 e 2015, quando se transferiu para o Al-Sadd do Catar. Xavi foi oito vezes campeão espanhol e quatro vezes campeão da Liga dos Campeões. Messi precisará de mais 327 jogos para ser o recordista de jogos de La Liga, como os espanhóis tratam seu campeonato.

A VIRADA – O atacante espanhol Raul de Tomás, de 24 anos, emprestado pelo Real Madrid, abriu o placar aos 24 com chute forte de fora da área, no canto, sem defesa para o alemão Ter Stegen. O Barcelona empatou aos 39, com o zagueiro Piqué completando de cabeça a falta cobrada sob medida por Messi. O goleiro Stole Dimitrievski, de 25 anos, 1,88m, natural da Macedônia, ainda tentou, mas não chegou a tocar na bola.

NA VOLTA do intervalo, a virada do Barcelona logo aos seis minutos, quando o zagueiro espanhol Jordi Amat fez falta no lateral português Nelson Semedo. Na cobrança do pênalti, Messi estabeleceu 2 x 1, e aos 37 iniciou a jogada em que Rakitic e Dembélé trocaram passes e Luis Suarez marcou o terceiro gol. O jogo registrou 29 faltas (17 do Rayo Vallecano) e o árbitro andaluz Melero  Lopez mostrou amarelos para Busquets – único do Barcelona -, Velasquez e Imbula.

COUTINHO MAL – O meia carioca Philippe Coutinho voltou a ter atuação apagada e foi substituído pelo croata Rakitic, aos 34 do segundo tempo. Os críticos têm sido duros com ele e chegam a perguntar: o que o Barcelona vai fazer em 2019-2020 com um jogador que custou muito e pouco ou quase nada produz? O apoiador Arthur, ex-Grêmio, saiu no intervalo para a entrada do francês Dembélé, e o atacante paulista Malcom, ex-Corinthians, só entrou aos 38 do segundo tempo no lugar de Busquets.

VAGA NAS QUARTAS – O Barcelona terá agora três de recuperação para o jogo da próxima quarta (13) em que decidirá no Camp Nou a vaga para as quartas de final da Liga dos Campeões com o Lyon. O jogo de ida, na França, terminou 0 x 0 e qualquer empate com gol dá a classificação ao Lyon. Outro 0 x 0 leva a decisão aos pênaltis. Os 92 mil lugares do estádio do Barcelona estarão ocupados.

VICE-LIDER VENCE EM CASA – Antes de Barcelona 3 x 1 Rayo Vallecano, o vice-lider Atlético de Madrid ganhou (1 x 0) do Leganés, diante de 58.321 torcedores, no moderno Estádio Wanda Metropolitano, construído pelos chineses do Grupo Wanda, um dos maiores conglomerados do mundo, com faturamento em torno de cinco bilhões de dólares mensais! O gol, aos cinco do segundo tempo, foi do meia espanhol Saúl Ñíguez, de 24 anos, 1,84m, formado na base do clube.

SEIS POUPADOS – Saúl Ñíguez, o autor do gol, e o goleiro esloveno Jan Oblak, foram dos poucos titulares em campo. O técnico argentino Diego Simeone poupou a maioria dos titulares – Griezmann, Godin, Koke, Morata, Diego Costa e Filipe Luis – para o jogo de terça (12), em Turim, com a Juventus. O Atlético de Madrid ganhou (2 x 0) o jogo de ida, em Madrid, e pode perder por um gol  para se classificar às quartas de final da Liga dos Campeões.

16 FALTAS – Atlético de Madrid  1 x 0 Leganés começou tranquilo, mas se tornou tenso na volta do intervalo. Em décimo terceiro, o Leganés sofreu a décima derrota e ao final da rodada poderá perder posição. O árbitro valenciano Mateu Lahoz marcou 16 faltas (9 do Atlético) e mostrou quatro amarelos para Ruben Paz e Braithwaite, do Leganés, e Gimenez e Lemar. O técnico Diego Simeone admitiu que o jogo com a Juventus, líder e único time invicto na Itália, “será muito complicado”.