A vitória por 3 x 1 sobre o Ceará, na noite de ontem (15), em Fortaleza, aumentou a chance de classificação direta do Fluminense para a fase de grupos da Libertadores 2021, ao terminar a antepenúltima rodada do Campeonato Brasileiro em quinto, com 60 pontos e 17 vitórias, quatro pontos a mais que o Palmeiras, sexto com 56, e 15 vitórias, mas com menos dois jogos, e também quatro pontos a mais que o Grêmio, sétimo com 56, mas com menos quatro vitórias (13).

GRANDE EMOÇÃO – Técnico só por mais dois jogos, domingo (21) com o Santos, na Vila Belmiro, e quinta (25) com o Fortaleza, no Maracanã, quando Roger Machado assumirá para o restante da temporada, Marcão se emocionou com os 3 x 1 no Ceará. A última vitória do Fluminense sobre o Ceará, na Arena Castelão, havia sido na noite de 1 de junho de 2005, quando o time se classificou para a final da Copa do Brasil, com a goleada de 4 x 1. Então aos 32 anos, Marcão era o capitão do time de Abel Braga

BOM LEMBRAR – Marcão recorda que o Fluminense fez uma exibição de gala e já saiu para o intervalo com 2 x 0, em três minutos. O centroavante Tuta fez 1 x 0 aos 15, e o cruzamento, aos 18, para o meia Diego, que estava de saída para Portugal, marcar o segundo gol. A goleada teve espaço ainda mais curto no segundo tempo, quando o ponta Rodrigo Tiuí fez 3 x 0 aos 7 e deu o passe para Tuta fechar a goleada aos 9. Marcão lembra também que foi driblado por Camanducaia no gol do Ceará.

VICE-CAMPEÃO – O hoje técnico, aos 48 anos, recorda que o time em que era capitão em 2005, podia não ser brilhante, mas tinha muita pegada: Kleber, Gabriel (Lino), Antonio Carlos, Fabiano Eller e Juan; Marcão, Arouca, Diego e Maicon (Schneider); Leandro (Rodrigo Tiuí) e Tuta – a formação dos 4 x 1 no Ceará. Marcão só se entristece ao lembrar que pela segunda vez o Fluminense perdeu a final da Copa do Brasil, em decisão com o Paulista de Jundiaí. Havia perdido em 92 para o Internacional.

“MOLEQUES” – Marcão mostrou-se feliz com os três gols dos “moleques de Xerém”: o atacante John Kennedy (18 anos, 18/5/2002) fez o primeiro, aos 44, com chute cruzado, após boa assistência de Nenê. No segundo tempo, o volante Martinelli (19 anos, 10/5/2001) fez 2 x 0 aos 14, após cruzamento de Egídio, que aos 43 bateu falta e o atacante Samuel (20 anos, 2/10/2000), no peixinho, fez o terceiro, primeiro como profissional, aos 43, nove minutos depois de Vinícius ter feito o gol do Ceará, cobrando pênalti que sofreu de Calegari.

FLUMINENSE – Marcos Felipe, Calegari, Nino, Lucas Claro e Egídio; Martinelli (André), Yago Felipe e Nenê (Hudson); Luiz Henrique (Pacheco), John Kennedy (Samuel) e Lucca (Michel Araújo) – o time do técnico Marco Aurelio Oliveira (Marcão), que entre 1999 e 2005 fez 397 jogos e 22 gols, campeão carioca em 2002 e 2005. O Fluminense é quinto com 60 pontos em 36 jogos – 17 vitórias, 9 empates, 10 derrotas e saldo de 11 gols (52 a 41).

DOIS CARTÕES – O árbitro Wilton Pereira Sampaio, de 38 anos, da Federação Goiana e da FIFA, teve uma de suas atuações mais tranquilas no Brasileiro 2020, facilitada pelo nível disciplinar elevado dos times. Marcou 26 faltas normais (18 do Ceará) e só aplicou dois cartões amarelos, no primeiro tempo, em Lucca, do Fluminense, aos 17, por falta no lateral Eduardo, e em Leo Chu, aos 23, por falta no lateral Calegari. Nenhum impedimento foi assinalado. O Ceará teve 9 escanteios, e o Fluminense, nenhum.

SÉTIMA – Em 18 jogos como visitante, sétima vitória do Fluminense, quarta no returno, primeira por 3 x 1 em todo o campeonato. O Fluminense perdeu sete dos 18 jogos fora de casa, quatro no returno. Depois da goleada de 5 x 0 na Arena Corinthians, dia 13 de janeiro, o Fluminense completou o sétimo jogo sem derrota: 1 x 0 no Sport e no Bahia; 2 x 0 no Botafogo; 3 x 0 no Goiás e 3 x 1 no Ceará, que sofreu a sétima derrota, quinta no returno, em 18 jogos na Arena Castelão.

SPORT 0 x 0 BRAGANTINO – No vigésimo sexto 0 x 0 do Brasileiro 2020 – quarto do Bragantino, segundo do Sport -, o Bragantino foi superior, mas o Sport se defendeu bem e praticamente garantiu a permanência na Série A, com 42 pontos, cinco a mais que o Vasco, primeiro do rebaixamento. O Bragantino, com 49 pontos, perdeu a chance de entrar na Libertadores, mas terá vaga na Sul-Americana. O gaúcho Leandro Vuaden marcou 18 faltas, 8 do Sport, que teve três advertidos com cartão amarelo.

896 GOLS – A rodada 36 foi concluída com o único 0 x 0 e vitórias de três visitantes: Internacional, São Paulo e Fluminense. Em 357 jogos, 896 gols, média de 2.51 gols por jogo. O Flamengo tem o ataque mais positivo (65) e o Palmeiras a defesa menos vazada (32). Marinho (Santos), Claudinho (Bragantino) e Tiago Galhardo (Internacional) dividem a artilharia com 17 gols. Três jogos atrasados: amanhã (17), Santos x Corinthians e Coritiba x Palmeiras. Sexta (19), São Paulo x Palmeiras.

Foto: Goal