O gol do atacante Carlos Tevez, aproveitando a falha do zagueiro Zé Gabriel, aos 18 minutos do segundo tempo, deu a vitória inédita ao Boca Juniors sobre o Internacional, que perdeu pela primeira vez para time argentino, depois de onze jogos, na noite de ontem (2), na Arena Beira Rio, em Porto Alegre. O Boca terá a vantagem do empate na próxima quarta (9), em Buenos Aires, para fazer nas quartas de final o clássico argentino com o Racing, que eliminou o Flamengo.

LOMBA SALVOU – Inter e Boca renderam abaixo do que podem, principalmente no primeiro tempo, em que praticamente nada criaram. O Boca voltou melhor do intervalo, mas o goleiro Marcelo Lomba teve boa participação e evitou que o Inter saísse com derrota mais ampla. Tiago Galhardo, artilheiro do Campeonato Brasileiro, chegou ao sétimo jogo sem gol e até cobrança de pênalti não tem aproveitado. Os observadores atribuem a queda de rendimento à saída do técnico argentino Eduardo Coudet.

CAMISA RETRÔ – Ao marcar o gol, Carlos Tevez tirou a camisa para exibir a que estava por baixo, a camisa retrô do Boca, a primeira que Maradona usou. Indiferente à homenagem, o árbitro Esteban Ostojich, de 38 anos, da Associação Uruguaia, aplicou o cartão amarelo no atacante, tão logo ele terminou a comemoração. Tevez tinha Maradona não só como ídolo, mas o tratava como um pai. A punição do árbitro foi criticada pelos dirigentes do Boca Juniors como falta de sensibilidade.

INTERNACIONAL – Sem contar com o lateral Rodinei e o zagueiro Cuesta, suspensos, o time teve Marcelo Lomba, Heitor, Moledo, Zé Gabriel e Uendel; Lindoso (Nonato), Patrick, Dourado e D’Alessandro (Maurício); Tiago Galhardo e Yuri Alberto (Leandro Fernandez). Ainda em recuperação da Covid-19, Abel Braga foi substituído na área técnica pelo assistente Leomir de Souza, que viu a equipe pouco criativa.

BOCA JUNIORS – Andrada, Buffaríni, Lisandro Lopez, Izquierdoz e Fabra; Capaldo, Campuzano e Cardona (Jara); Salvio (Villa) e Tevez (Soldano). Técnico – Miguel Angel Russo. Bom lembrar: Tevez, de 36 anos, foi campeão brasileiro de 2005 no Corinthians e ficou até 2006, com 46 gols em 78 jogos. O time em que mais jogou foi o Manchester City, campeão inglês em 2011-12, com 73 gols em 148 jogos, mas também brilhou na Juventus, bicampeão italiano em 2013-14 e 2014-15, com 50 gols em 96 jogos.

NACIONAL x RIVER – O Nacional, do Uruguai, eliminou ontem (2) à noite o Independiente del Valle, do Equador, nos pênaltis (4 x 2), depois de 0 x 0 nos jogos de ida e volta. 47 vezes campeão uruguaio e três vezes da Libertadores – 71, 80 e 88 -, o Nacional disputará as quartas de final com o River Plate, que eliminou o Athletico Paranaense.

Foto: Jornal de Mato Grosso