A Inglaterra tributou na noite desta quinta (15), no estádio de Wembley, nos arredores de Londres, homenagem expressiva ao artilheiro Wayne Rooney, 33 anos, que se despediu da seleção, depois de marcar 53 gols em 120 jogos, no amistoso com os Estados Unidos. Foi aplaudido de pé pelos 68.155 torcedores, ao entrar em campo, ao lado da esposa Coleen e dos quatro filhos, Kai, Klai, Kit e Cass, o bebê de colo. Rooney até tentou, mas foi impossível não ter que enxugar as lágrimas.

O MAIS JOVEM – Antes dos 18 anos, em 2003, Rooney tornou-se o mais jovem a estrear na seleção inglesa, em amistoso com a Austrália, em 12 de fevereiro, e a participar da Eurocopa em 2004. Com o uniforme todo branco, número 10 em vermelho e braçadeira amarela de capitão, deferência do técnico Gareth Southgate, o atacante entrou para o último jogo aos 17 do segundo tempo, substituindo Jesse Lingard, camisa 14.

BRINCOU BEM – Quando o amistoso terminou – Inglaterra 3 x 0 Estados Unidos, gols de Jesse Lingard, Alexander-Arnold e Callum Wilson, três dos mais jovens do grupo, que o técnico segue renovando para a Copa de 2022 -, Wayne Rooney abriu os braços e brincou com Brad Guzan, goleiro e capitão da seleção americana, que evitou seus gols com defesas daquelas consideradas impossíveis. Guzan sorriu e ofereceu-lhe a camisa 1 do uniforme todo verde como lembrança.

CINCO TÍTULOS – Wayne Rooney nasceu em 24/10/85 em Liverpool e em 94 estreou no Everton FC aos nove anos, tornando-se profissional oito anos depois. Foi o jogador mais caro do Reino Unido, ao ser vendido ao Manchester United, em 2004, por 25 milhões de libras (moeda mais forte do mundo), o equivalente a quase R$150 milhões na época. Foi cinco vezes campeão inglês, campeão e duas vezes vice da Champions League e quatro vezes o melhor jogador do campeonato.

559 JOGOS, 253 GOLS – Números expressivos de Rooney com a camisa dos Diabos Vermelhos, como são tratados os jogadores do Manchester United, clube mais rico do mundo, que defendeu de 2004 a 2017. Rooney recorda de uma expulsão em Inglaterra x Portugal, por cometer falta dura em seu companheiro Cristiano Ronaldo, que ao sair do Sporting de Lisboa foi jogar no United. 

IMPLANTE – Vaidoso a não mais poder, o atacante fez implante quando começou a perder os cabelos, mas saiu pela tangente, dizendo ter sido sugestão da esposa… Rooney mantém muitos contratos de publicidade com empresas de porte, tipo Nike, Ford, Nokia e Coca-Cola. Criou a Fundação Rooney, que recebeu parte da renda do seu jogo de despedida, a fim de investir no desenvolvimento educacional de jovens de Manchester.

DC UNITED – Ao deixar o futebol inglês, Rooney não resistiu à proposta tentadora de milhões de dólares do DC United, de Washington, a capital dos Estados Unidos. O atacante é uma das atrações do Audi Field, o estádio de 20 mil lugares, sempre lotado, onde o time joga sob o comando do jovem técnico Ben Olsen, 41 anos, nascido na Pensilvânia, meia durante 11 anos e treinador desde 2010. Rooney brinca: “Nosso time é uma autêntica ONU, com jogadores da Jamaica, Honduras, Costa Rica, Hungria, Inglaterra… Tem até americano…”

Foto: AP Photo/Alastair Grant