Mesmo com a volta de Marta, que marcou de pênalti seu décimo sexto gol em Copas do Mundo, e saiu no intervalo, a seleção brasileira levou virada (3 x 2) da Austrália, depois de ganhar (2 x 1) no primeiro tempo, nesta quinta (13), no estádio de La Mosson, em Montpellier, sétima maior cidade francesa, a 748 km da capital Paris.

NÃO SÓ A SAÍDA de Marta, mas também a da meia Formiga foi ruim para a seleção, que ficou desprotegida e abriu espaços para as australianas encontrarem o caminho da virada, com dois gols em dez minutos. Além disso, a zagueira Mônica teve a pouca sorte de fazer gol contra em que também a goleira Barbara falhou.

ATUAÇÃO RUIM – Se na estreia o Brasil se apresentou bem e fez 3 x 0 na Jamaica, seleção mais fraca do Grupo C, a atuação com a Austrália, que se reabilitou da derrota (2 x 1) para a Itália na estreia, foi ruim. A seleção criou pouco e apenas se salvou pelo desempenho do primeiro tempo em que conseguiu a vantagem de 2 x 1. O próximo jogo do Brasil será terça (18) com a Itália, que deverá decidir o primeiro lugar com a Austrália, confirmando o favoritismo de ambas.

MARTA E CRISTIANE –O Brasil fez 1 x 0 aos 27 minutos. A lateral Letícia foi agarrada pela camisa e a árbitra suíçaEsther Staubimarcou o pênalti, queMartaconverteu com categoria, deslocando a goleiraWilliams. A seleção ganhou ânimo e ampliou aos 38, com o gol de Cristianede cabeça, completando o cruzamento de Debinha. Foi o quarto gol de Cristiane, vice-artilheira, a um gol da americana Morgan, que fez cinco nos 13 x 0 na Tailândia. O primeiro gol da Austrália, feito por Foord, foi aos 46 minutos.

VIRADA EM 10 MINUTOS – Dirigida pelo técnico croata Ante Milicic, que foi atacante, a seleção da Austrália voltou do intervalo mais ofensiva. Empatou aos 13 com o gol da lateral Logarzo, em desatenção da defesa brasileira, e virou aos 23, com o gol contra da zagueira Monica, gaúcha de Porto Alegre, primeira brasileira a jogar no Orlando Pride, time atual de Marta, e pioneira no  Adelaide FC, do sul da Austrália. Monica também jogou no Atlético de Madrid e hoje é do Corinthians.

BRASIL – Barbara, Letícia, Monica, Kathleen e Tamires; Thaysa, Formiga (Luana, intervalo), Debinha e Andressa, primeira mulher brasileira a jogar no Barcelona; Cristiane (Bia, 30 do segundo tempo) e Marta (Ludmila, intervalo). Ludmila, de 24 anos, é paulista e joga no Atlético de Madrid. Técnico – Oswaldo Alvarez (Vadão).

TRÊS CARTÕES – Só brasileiras foram advertidas com cartão amarelo: Formiga, por falta em Yallop, aos 41 do primeiro tempo; Andressa, por falta em Knight aos 39, e Luana, por falta em Egmond, aos 41 do segundo tempo. Atuação segura de Esther Staubi, de 38 anos, nascida em Berna, capital da Suíça e árbitra Fifa desde 2006. Engenheira agrônoma, foi a primeira da história da Fifa a apitar um jogo de seleções masculinas, no Mundial sub-2017, Japão 4 x 1 Nova Caledônia, em Calcutá, na Índia.

Imagem: Elsa/Getty Images