Como faz todos os anos, em todo início de junho, a Forbes, mais famosa e conceituada revista de negócios e economia do mundo, com sede em Nova York e circulação quinzenal desde 1917, divulgou ontem (4) o ranking dos famosos mais bem pagos do mundo no ano anterior. A novidade é Cristiano Ronaldo, primeiro do futebol na lista, porque em 2019, só com as campanhas publicitárias, o artilheiro ganhou U$105 milhões – R$540 milhões -, fora o que lhe paga a Juventus, campeã da Itália. Cristiano Ronaldo foi o primeiro do futebol a ganhar U$1 bilhão, o equivalente a R$5 bilhões e 200 milhões.

QUARTO LUGAR – Apesar de todo o volume, além de ser o segundo mais bem pago do mundo, com U$110 milhões anuais da Juventus, Cristiano Ronaldo, de 35 anos, é apenas o quarto colocado da lista. Antes dele, o tenista suíço Roger Federer, de 38 anos; a empresária americana Kylie Jenner, de 22 anos, magnata dos cosméticos, e o rapper americano Kanye West, de 42 anos, que doou U$10 milhões à família de George Floyd, assassinado em 25 de maio por policiais em Minnesotta, maior estado do Centro-oeste americano, e vai pagar os estudos da filha dele, até a formatura.

O PRIMEIRO – De acordo com a Forbes, Tiger Woods, hoje aos 44 anos, melhor jogador de golfe de todos os tempos dos Estados Unidos, foi o primeiro a ganhar U$1 bilhão, em 2009, no dia em que completou 33 anos (30 de dezembro). Oito anos depois dele, o ex-pugilista Floyd Mayweather, hoje aos 43 anos, melhor de sua geração e um dos grandes da história, também ganhou U$1 bilhão. Ontem (4), ele doou U$90 mil para o funeral de George Floyd.

PROTESTOS – O golfista Woods e o ex-pugilista Mayweather estão entre os esportistas americanos mais abalados com o brutal assassinato do afro-americano George Floyd, de 46 anos, que hoje (5) entra no décimo dia consecutivo de violentos protestos antirracistas em todas as cidades dos Estados Unidos, como vimos acompanhando, em transmissão ao vivo do canal CNN. O que chama muito a atenção é o destemor dos que protestam, mesmo com todas as ameaças do presidente Donald Trump.

Foto: Juventus