É natural, por mais que a situação financeira do clube seja saudável, que o Flamengo tenha se assustado com os sete milhões de euros/ano, o equivalente a quase quarenta milhões de reais, para o acerto do novo contrato com o técnico, que receberia três milhões e meio de reais/ano, algo em desacordo com a realidade brasileira. Ainda que os números sejam extraoficiais, não há como o clube deixar de ficar pensativo.

PLANO B – A meu juízo, o Flamengo pode até perder, se não continuar com um profissional que deu certo, mas não é menos verdade que o prejuízo maior será do técnico. Jorge Jesus está fora da vitrine europeia desde 2015, quando ganhou o título português com o Benfica, único grande que dirigiu antes da vinda ao Rio. O Flamengo abriu-lhe as portas quando ele estava sem clube, após ser demitido do Al-Hilal em 2018, quando venceu a Taça Arábia Saudita.

NADA MUDOU – Mesmo com todos os títulos do Flamengo, nada mudou em termos de cotação de Jorge Jesus. Não há clube europeu, incluídos os de Portugal, interessados em tê-lo. O grande objetivo dele é treinar um time de ponta, tipo Real Madrid e Barcelona, sempre candidatos a campeão da Liga dos Campeões, seu sonho de consumo. Pelo passar do tempo, o sonho vai ficando cada vez mais distante da realidade.

POR QUE? – Além de José Mourinho, o mais bem-sucedido de todos, com títulos nos principais times europeus, Portugal tem técnicos em times de primeiro nível da Europa, tipo Paulo Fonseca, da Roma, e Nuno Espírito Santo, do inglês Wolverhampton. Carlos Queiroz é outro, desde 2019 treinando a seleção da Colômbia para a Copa de 2022. E Jorge Jesus? Por que nunca dirigiu uma seleção nacional? Por que nunca treinou time de ponta na Europa?

LEIO NO “OLÉ”, jornal argentino, que Jesus já teria sugerido ao Flamengo a contratação de Fabrício Bustos, de 23 anos, lateral-direito do Independiente, de Buenos Aires, maior campeão da Libertadores com sete títulos e único realmente tetra, com os consecutivos de 72-73-74-75. A matéria diz que Bustos, doze anos mais novo que Rafinha, que faz 35 em setembro, mereceu muitos elogios do (ainda) técnico do Flamengo.