O Barcelona vai abrir processo disciplinar contra Messi, que não se apresentou neste domingo (29), para os primeiros testes de avaliação fisica, como fizeram todos os demais jogadores relacionados para a temporada 2020-2021, que começa em 12 de setembro e termina em 23 de maio, com a histórica edição 90 do Campeonato Espanhol. Através de seus advogados, Messi já havia dito que não se apresentaria hoje, assim como antecipou que não irá ao primeiro treino, marcado para amanhã (31).

MUITO FIRME – Orientado por seu pai e seus advogados, Messi mantém posição muito firme de não continuar no clube: “Meu contrato terminou dia 10 de junho e só quero exercer o direito de sair livre, sem nada ter que pagar” – resume o jogador, enquanto o clube também se mostra irredutível: “O contrato só termina em junho de 2021, e para sair antes, é preciso que ele, ou algum interessado, pague ao clube a multa de 700 milhões de euros” – diz o presidente Josep Maria Bartomeu.

ENCONTRO – O presidente disse ter exposto, com a máxima clareza, as razões do clube, resumidas em dois pontos básicos: 1 – “Messi só será recebido se garantir que estará no clube para o acerto de novo contrato. 2 – O clube não quer ouvir sobre saída gratuita, redução do preço da multa ou troca por jogadores de qualquer outro clube. O presidente também ressaltou no encontro deste domingo (30) com os jornalistas: A diretoria, conselheiros, sócios e torcedores, querem que ele continue no clube“.

RENÚNCIA – O presidente do Barcelona chegou a admitir a renúncia, mas seus pares afastaram a hipótese, afirmando que “nenhum jogador, por mais importante que seja, pode estar acima do presidente, figura máxima do clube”. O presidente Bartomeu fez também, hoje (30), um resumo da história de Messi no clube: “Ele deu muito ao Barcelona, mas também teve a recompensa, durante esse longo tempo em que se encontra no clube, sempre tratado com muito respeito”.

O LUCRO – O presidente disse que “o clube se beneficia da imagem dele, mas ele também tira proveito da imagem do clube”. Bartomeu admitiu a insatisfação de Messi, pela má campanha da equipe, sem título, e pelo final desastroso da temporada, com a goleada humilhante que sofreu, ao ser eliminada da Liga dos Campeões. O presidente citou algumas tentativas para aumentar o poderio da equipe, investindo em valores de qualidade técnica reconhecida, mas todos os clubes não aceitaram negócio.

EXEMPLOS – O presidente citou alguns nomes tentados pelo Barcelona – Tiago Silva, Marquinhos, Di Maria, Verratti -, que o PSG não quis ceder, limitando-se a oferecer o lateral Lucas Digne, que acabou negociando com o Everton de Liverpool. Bartomeu disse ainda que “a reformulação do nosso grupo, para 2020-2021, passa pela saída de alguns e a entrada de outros, sempre de acordo com o critério do novo técnico”, em referência clara ao aborrecimento de Messi pela dispensa de Luis Suarez.

GUARDIOLA – Por último, o presidente do Barcelona falou sobre a presença de Guardiola na Catalunha para conversar com ele e com Messi. Bartomeu foi bem objetivo: “Pep será sempre bem recebido, mas não para conversar sobre um assunto que só tratamos entre dirigentes”. A posição do Barcelona, tanto quanto a de Messi, é inflexível. Não parece que o caso tenha desfecho breve nem que deixe de ser decidido na justiça. É o que se pode ver pelas posições que as partes adotam.

Foto: site UmViajante