O empate em 1 x 1 da noite de ontem (15) deixou Flamengo e Fluminense sem vantagem na noite do próximo sábado (22), quando decidirão o Carioca 2021, a cada ano mais esvaziado. Outro empate levará a decisão aos pênaltis. O Flamengo, 26 vezes campeão no Maracanã, pode erguer a taça em seu quinto tricampeonato no estádio, o último em 2007-08-09. O Fluminense, 16 vezes campeão, a última em 2012, pode comemorar o segundo tricampeonato, 36 anos depois de 83-84-85.

41 FALTAS, 9 CARTÕES – Flamengo e Fluminense baixaram o nível técnico do grande clássico, acompanhando a queda do próprio campeonato, que perdeu, faz tempo, o status de mais charmoso do país. As 41 faltas, algumas dolosas, de parte a parte, obrigaram o árbitro a fazer nove advertências com cartão amarelo para controlar os ânimos, bem exaltados na maior parte do jogo. Os ditos 300 convidados especiais também se excederam, com discussões e ofensas, bem próprias de gente de baixo nível.

VAR CONFIRMA GOLS – O Flamengo foi superior no primeiro tempo e mereceu sair para o intervalo com a vantagem. O lateral Egídio cometeu pênalti claro no meia Gerson, mas o árbitro precisou da revisão do VAR para confirmar a falta. Gabriel fez a cobrança aos 18 minutos, deslocando o goleiro Marcos Felipe, em seu décimo terceiro gol da temporada, quinto de pênalti. O Fluminense esboçou reação, mas o Flamengo controlou bem e manteve o 1 x 0 até a saída para o vestiário.

MUDANÇAS CERTAS – O Fluminense voltou do intervalo com Juan Cazares no lugar de Nenê, apagado no primeiro tempo. O time passou a ser mais criativo e tornou-se ainda mais objetivo com as saídas de Gabriel Teixeira, Fred e Kayky. Caio Paulista, Luiz Henrique e o uruguaio Abel Hernandez, autor do gol de cabeça, aos 32 minutos, com OK do VAR, deram mais mobilidade. Depois da assistência de cabeça para Abel Hernandez empatar, Caio Paulista perdeu o gol da virada, cara a cara com o goleiro.

OS NOVE CARTÕES – Dos nove cartões, cinco no primeiro tempo, os três primeiros do Fluminense: Yago aos 14, falta em Diego; Gabriel Teixeira aos 28, falta dura em Isla, e Fred aos 41, falta dura em Gerson. Os do Flamengo, de Gabriel aos 42, falta dura em Nenê, e Isla, aos 44, carrinho em Egídio. No segundo tempo, os dois cartões do Fluminense: Calegari aos 9 minutos, carrinho em Bruno Henrique, e Luiz Henrique aos 26, sola no pé de Mateuzinho, e os dois do Flamengo: Diego aos 15, falta em Kayky, e Rodrigo Caio aos 44, no joelho de Juan Cazares. Quarto jogo do Carioca 2021 do árbitro Alexandre de Jesus, de 24 anos.

FLUMINENSE – Marcos Felipe, Calegari, Nino, Lucas Claro e Egídio; Martinelli, Yago e Nenê (Juan Cazares); Gabriel Teixeira (Caio Paulista), Fred (Abel Henrique) e Kayky (Luiz Henrique). Técnico – Roger Machado. O Fluminense volta ao Maracanã terça (18), e se vencer o Junior Barranquilla, manterá a liderança isolada e invicta do Grupo D e estará com a classificação garantida no mata-mata das oitavas de final da Libertadores, sem depender do jogo da última rodada com o River Plate, na Argentina.

FLAMENGO – Gabriel Batista, Isla (Mateuzinho), Arão, Rodrigo Caio e Filipe Luis; Diego (João Gomes), Gerson, Everton Ribeiro (Vitinho) e Arrascaeta; Gabriel e Bruno Henrique (Pedro). Técnico – Rogerio Ceni, que resumiu: “O árbitro estragou o jogo”. O Flamengo volta ao Maracanã quarta (19), e se vencer a LDU, manterá a liderança isolada e invicta do Grupo G, garantindo a  classificação às oitavas de final da Libertadores, independente do resultado do jogo com o Velez, também no Maracanã, na última rodada.

Foto: Futebol na Veia