A PREFEITURA DO RIO NÃO RESISTIU à pressão, forte e insistente do Flamengo, e autorizou a volta do público ao Maracanã, em dois jogos consecutivos com o Grêmio, pelas quartas de final da Copa do Brasil, dia 15, e pela segunda rodada do returno do Campeonato Brasileiro, dia 19, e o jogo de ida das quartas de final da Libertadores com o Barcelona do Equador, dia 22. No primeiro jogo, 24.783 torcedores; no segundo, 28.324; no terceiro, 35.045.

PANDEMIA – Estranho quanto pareça, a prefeitura concedeu a autorização no dia em que a média móvel de mortes no Rio de Janeiro voltou a aumentar, tornando-se a mais elevada desde 26 de junho, com 142 óbitos por dia, agora por conta da variante Delta. O estado do Rio de Janeiro é o maior do país em números de casos da variante Delta, o que torna ainda mais grave a autorização das autoridades municipais sanitárias para a volta do público ao estádio.

PROTOCOLO – De acordo com a nota da prefeitura, os que forem ao Maracanã terão que cumprir o protocolo sanitário de distanciamento social de pelo menos um metro; apresentar comprovante de vacinação e de teste negativo para a Covid-19, além do uso obrigatório de máscara. O ingresso será nominal, com a retirada mediante comprovação de identidade. A prefeitura acredita que todos seguirão o protocolo, sem correria e sem atropelos. A prefeitura também deve acreditar em cegonha e em Papai Noel.

CONVULSIONADO – O futebol brasileiro está em clima de convulsão, o que não causa surpresa nos que acompanham os demais setores do país. Nesta quarta (8), o Grêmio ameaçou não fazer o jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil com o Flamengo, na próxima quarta (15), no Maracanã, se houver público no estádio. O clube gaúcho argumenta que no primeiro jogo, em 25 de agosto, não havia público na Arena Grêmio, o que configura “falta de equilíbrio esportivo”, no entender do diretor jurídico Nestor Hein.

SEM COMPETÊNCIA – O Conselho Técnico da Confederação Brasileira de Futebol convocou reunião para a tarde de hoje (8) e só o Flamengo, dos vinte clubes da Série A, não compareceu. Em nota, o clube alega que a CBF não tem competência para desaprovar decisão das autoridades do governo sobre o retorno do público aos estádios, e cita a posição do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, que aprova a decisão das autoridades sanitárias da prefeitura. 

NINHO DO URUBU – Está passando batido, dia a dia, mês a mês, como se o caso não tivesse sido da mais extrema gravidade. Mas, é bom lembrar:  hoje, quarta-feira, 8 de setembro de 2021, faz dois anos e sete meses do incêndio do Ninho do Urubu, que matou 10 jovens, entre 14 e 17 anos, e deixou três feridos, enquanto dormiam. A madrugada da sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019, registrou a maior tragédia da história de 125 anos do Clube de Regatas do Flamengo, mas, 31 meses depois, ficou o dito pelo não dito. Os culpados continuam livres, sem punição, como se nada gravíssimo houvesse acontecido.

Foto: Torcida Flamengo