Não serão poucos os desafios de Pedro, que o Fluminense vendeu à Fiorentina, para se firmar como artilheiro na Itália. A partir da estreia, dia 15, ele terá o primeiro confronto de peso com a octacampeã Juventus, de Cristiano Ronaldo. O jogo da terceira rodada será em Florença, onde a Fiorentina tentará a primeira vitória, depois de perder (2 x 1) na estreia para o Genoa, e em casa, 4 x 3 para o vice-campeão Napoli.

BOM TÉCNICO – Pedro começa a treinar hoje (3), sob a orientação do técnico Vicenzo Montella, 43 anos, ex-atacante, contratado na atual temporada pela Fiorentina. Ele detém o recorde de quatro gols em um jogo pela Roma, quando ganhou (5 x 1) o clássico eterno da capital com a Lazio, em 2002. O outro brasileiro da Fiorentina é o meia Dalbert, natural de Barra Mansa, RJ, emprestado pela Inter de Milão. Ele fará 26 anos domingo (8).

Pinterest por Vittorio Pignataro

50 ANOS SEM TÍTULO – A Fiorentina só ganhou dois campeonatos italianos, em 1955-56, quando teve no ponta-direita Julio Botelho, o principal destaque, e que viria a ser o melhor de sua história de 93 anos, fundada em 29 de agosto de 1926, e em 1968-69. Julinho fez 89 jogos e 22 gols, entre 1955 e 1958, quando voltou a São Paulo para ser campeão paulista e brasileiro pelo Palmeiras, com 81 gols em 269 jogos, até encerrar a carreira em 1967.

TRÊS CAPITÃES – A Fiorentina teve três capitães brasileiros em sua história: o meia Chinesinho – 1957-1964 -, o meia Sócrates – 1984-1985 – e o apoiador Dunga, de 90 a 92. Além de Dunga, outros oito campeões mundiais, entre eles Mario Pizziollo, do primeiro título italiano em 1934, e Gabriel Batistuta, do segundo título argentino em 1986.

MISSÃO DIFÍCIL – O carioca Pedro, de 22 anos, 1,85m, destro, terá a difícil missão de pelo menos se igualar ao argentino Batistuta, maior artilheiro da Fiorentina, com 202 gols em 328 jogos, de 1991 a 2000. O segundo foi o sueco Kurt Hamrim, hoje aos 84 anos, que se manteve em Florença com a família, após fazer 150 gols em 289 jogos, de  1958 a 1967. Ele foi o ponta-direita da final da Copa de 58 – Suécia 2 x 5 Brasil – e marcou o primeiro gol.

Foto: site Calciopeia.com.br

ÚNICO TÉCNICO – Assim como o carioca Paulo Amaral, preparador físico da seleção bicampeã do mundo em 58-62, foi o único técnico da Juventus de Turim – 62-64 -, o mineiro Sebastião Lazaroni foi o único técnico brasileiro da Fiorentina – 90-92 -, após dirigir a seleção na Copa do Mundo de 90. Lazaroni havia ganho três títulos cariocas consecutivos – 86 no Flamengo, 87 e 88 no Vasco – e a Copa América em 89, que a seleção brasileira não conquistava desde 1949.

PEDRO CREDENCIADO – Revelado na base do Artsul, de Nova Iguaçu, na Baixada fluminense, Pedro Guilherme Abreu dos Santos, do último dia do signo de Gêmeos – 20 de junho de 1967 -, chega credenciado à Fiorentina, que o contratou até 2023, pagando quase R$51 milhões ao Fluminense.

PEDRO, campeão brasileiro sub-20 em 2015, foi o artilheiro do Brasil, com 32 gols, nas divisões de base em 2016. Marcou o primeiro gol pelo Fluminense em 24/1/2017, nos 3 x 2 sobre o Criciúma, em jogo da Primeira Liga. Em 2018, aos 20 anos, tornou-se o mais jovem artilheiro do Campeonato Carioca da história do Fluminense na era profissional.

CIDADE HISTÓRICA – Com certeza, Pedro vai aprender muito em Florença, berço do Renascimento italiano, cidade histórica onde nasceram seis Papase o notável poeta Dante Alighieri, autor da Divina Comédia, marco da literatura mundial. A estreia de Pedro será diante de 47 mil torcedores, no Artemio Franchi, estádio em homenagem ao ex-presidente da Fiorentina e da Federação Italiana.

Que Pedro seja feliz e possa multiplicar, por muitos, os 31 gols que marcou em 93 jogos com a camisa do Fluminense. E repetir o gesto, de se curvar diante dos torcedores da Fiorentina, ao retribuir com a reverência respeitosa que criou, para comemorar cada gol, como em seus jogos no Maracanã.